Bellucci diz que Madri é um divisor de águas na carreira

O tenista brasileiro Thomaz Bellucci não vai esquecer tão cedo o que fez no Masters 1000 de Madri, na Espanha. Semifinalista da competição, o paulista derrotou dois top 10 do ranking mundial da ATP - o escocês Andy Murray, número 4, nas oitavas de final, e o checo Tomas Berdych, número 7, nas quartas - e só parou na semi diante do sérvio Novak Djokovic, número 2, mas dando muito trabalho em quadra com a derrota de virada por 2 sets a 1.

AE, Agência Estado

07 de maio de 2011 | 19h42

Bellucci acredita que o torneio em Madri vai ficar na lembrança e que será como um divisor de águas em sua carreira. "Joguei de igual para igual com o Djokovic, acabei perdendo nos detalhes, embora tenha lutado até o final. Dominei até o 3/1 do segundo set, jogando meu melhor tênis, mas acabei dando espaço para ele na partida. Certamente, a história do jogo poderia ter sido outra", afirmou.

A brilhante campanha em Madri trouxe a Bellucci a consciência que ele precisava para jogar em um nível acima. "Foi uma semana muito importante e especial pra mim. Aqui em Madri tive a certeza que tenho jogo vencer os melhores. As vitórias, principalmente, sobre o Murray e o Berdych mostraram isso. O jogo de hoje (sábado) contra o Djokovic também. Perdi nos detalhes para o número 2 do mundo", analisou.

Para o tenista número 1 do Brasil, que está em 36.º no ranking e nesta segunda-feira deve figurar bem perto do top 20, a evolução do seu jogo e a parte mental também puderam ser constatadas em Madri. "Meu jogo está consistente e meu saque está fazendo a diferença... Acho que fui firme e agressivo quando precisei ser e também cauteloso e tranquilo em outros momentos. Estou sabendo dosar melhor as coisas. Isso só vem a acrescentar. Estou feliz por termos encontrado o caminho certo na quadra. Me sinto um vencedor", destacou.

O seu próximo desafio será já nesta semana - o Masters 1000 de Roma, na Itália, que começa neste domingo. O tipo de saibro do Foro Itálico não imprime tanta velocidade como o de Madri, que propicia jogo mais ao feitio de Bellucci. Só que o sorteio, neste sábado, foi ingrato para o brasileiro, que ainda se prejudica pela queda sofrida no ranking com maus resultados nos últimos meses. Se chegar à segunda rodada - enfrenta um tenista vindo do qualifying na estreia -, enfrentará o espanhol Rafael Nadal, número 1 do mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.