Bellucci e Marcos Daniel avançam à semi em São Paulo

Os brasileiros Thomaz Bellucci, número 1 do País e 27 do ranking mundial da ATP, e Marcos Daniel conseguiram, nesta quinta-feira, as suas classificações às semifinais da etapa de São Paulo da Copa Petrobras, a última de uma série de seis torneios da série Challenger pela América do Sul, que está sendo realizada na Sociedade Harmonia de Tênis (zona sul de São Paulo).

AE, Agência Estado

28 de outubro de 2010 | 21h49

Mais uma vez na competição, Bellucci ganhou sua partida sem perder algum set. Contra o português Leonardo Tavares, número 258 do mundo, o atual campeão da competição paulistana venceu por 2 sets a 0 - com parciais de 6/3 e 6/3, em 1 hora e 16 minutos.

Tavares foi o adversário que mais trabalho deu a Bellucci até agora. Conseguiu equilibrar boa parte dos dois sets, forçou o paulista a salvar três break-points e disparou alguns excelentes golpes de forehand. O brasileiro melhorou o aproveitamento do primeiro saque, com 58% de acerto, e venceu 74% desses pontos. "Consegui jogar bem, apesar de ter começado um tanto errático, mas logo corrigi as falhas", avaliou Bellucci. "No segundo set, Tavares passou a sacar melhor, o que dificultou os games. O importante no final foi a vitória, embora precise acertar alguns detalhes para a semifinal".

Seu próximo rival será o brasileiro naturalizado sueco Christian Lindell, de apenas 18 anos, que derrotou o cazaque Yuri Schukin, sétimo favorito, anotando a virada por 4/6, 6/3 e 6/4, após 2 horas e 26 minutos de partida. Com os 35 pontos já acumulados, ele deve saltar cerca de 100 posições, superando em muito a meta prevista para a temporada, que era ficar entre os 500.

GAÚCHO AVANÇA - Depois de um período instável, provocado por pequena lesão no cócix, Marcos Daniel mostrou estar de volta ao melhor tênis. Despachou com categoria o português Rui Machado, cabeça 3, por 6/1 e 6/4. Nesta sexta, ele enfrenta o francês Nicolas Devilder, que saiu do qualifying e virou em cima do paulista Rogério Dutra Silva por 2/6, 7/5 e 6/1.

"Sabia que eu ia ter de correr muito para ganhar do Machado, mas acho que fiz a tática correta contra ele e consegui anular suas melhores bolas", contou Daniel, que caiu para o número 152 do ranking e busca reação. "A ideia era usar bastante as paralelas de backhand para tirá-lo da zona de conforto, já que ele gosta de atacar muito com o forehand. Ainda mais, quando tive dificuldades, o saque entrou e isso ajuda muito".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.