Bellucci planeja 2016 e diz que não fará preparação específica para Olimpíada

Sem torneios oficiais para jogar até o fim do ano, Thomaz Bellucci está de férias desde a derrota para Novak Djokovic na segunda rodada do Masters 1000 de Paris, há duas semanas. Nesta segunda-feira, o brasileiro anunciou seu calendário para o primeiro quadrimestre de 2016 e revelou que pretende disputar todo o giro sul-americano.

Estadão Conteúdo

16 Novembro 2015 | 21h01

Belucci volta de férias na próxima segunda-feira, faz uma semana de preparação física e depois vai para o Rio treinar com o técnico João Zwetsch. Entre os dias 10 e 12 de dezembro, ele joga o evento-teste do Centro Olímpico de Tênis da Barra, também no Rio.

Bellucci abre o ano em dois torneios preparatórios para o Aberto da Austrália, em Brisbane e Sydney, ambos na Austrália, em piso rápido. Depois, inicia o giro sul-americano, no saibro, passando por Quito, Buenos Aires, Rio (Rio Open) e São Paulo (Brasil Open). Em março, tem programado jogar dois Masters 1000 nos EUA, em Indian Wells e Miami.

Durante esse período, tem a defender apenas a semifinal em Quito (90 pontos) e a terceira rodada de Miami (45). Muito pouco para quem tem 1.105 pontos e um grande potencial para crescer a partir do 37.º lugar que ocupa atualmente no ranking.

"Todo mundo sabe que não costumo fazer projeção de ranking, até porque como sempre digo, o ranking é consequência dos resultados, mas vamos seguir trabalhando duro para me firmar entre os melhores", disse Bellucci, por meio de sua assessoria de imprensa.

Em se mantendo como melhor brasileiro do ranking mundial, Bellucci terá vaga garantida no Rio-2016 como dono da casa ainda que deixe a zona de classificação - atualmente, a linha de corte é o 73.º lugar. Mas Bellucci afirma que não vai traçar um planejamento específico para a Olimpíada.

"Não iremos fazer nenhuma preparação específica para os Jogos, mas vamos buscar chegar em agosto na melhor forma física e mental possível para ir atrás da medalha. A Olimpíada será um marco na minha carreira e sei que um bom resultado no Rio pode alavancar a minha carreira em muitos aspectos, a motivação e a superação vão ser muito grande em poder representar bem o Brasil", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.