Bia Haddad avança nas duplas no Aberto da Austrália e faz história no tênis brasileiro

Esse é o melhor resultado de uma brasileira no Grand Slam disputado em Melbourne em toda a era aberta da modalidade

Redação - Estadão Conteúdo

Beatriz Haddad Maia fez história no tênis brasileiro na noite deste sábado, já domingo no horário de Melbourne. A tenista avançou às quartas de final da chave de duplas do Aberto da Austrália, ao lado da casaque Anna Danilina, e obteve o melhor resultado de uma brasileira no Grand Slam australiano em toda a era aberta do tênis, iniciada em 1968.

Foi ainda o melhor resultado de uma tenista do Brasil no Aberto da Austrália desde a grande Maria Esther Bueno, lenda do tênis nacional. Ela foi vice-campeã em solo australiano na chave de simples e semifinalista em duplas em 1965, e campeã nas duplas em 1960.

Bia Haddad vibra com nova vitória no Aberto da Austrália Foto: EFE/ DEAN LEWINS

Para registrar seu nome mais uma vez na história do tênis brasileiro, Bia eliminou a espanhola Aliona Bolsova e a norueguesa Ulrikke Eikeri com uma grande virada, por 2 sets a 1, com parciais de 3/6, 6/4 e 7/6 (10/5), em uma batalha de 2h34min.

Continua após a publicidade

O resultado marca ainda a melhor campanha de Bia num torneio de Grand Slam, contando tanto simples quanto duplas. Ao alcançar as oitavas, ela já havia igualado as melhores campanhas de brasileiras num torneio deste nível na era aberta. Cláudia Monteiro havia alcançado esta fase em 1982 e Luisa Stefani fez o mesmo em 2020 e no ano passado.

Bia e a tenista do Casaquistão estão em grande forma neste começo de temporada. Elas somam agora sete vitórias consecutivas, incluindo os jogos que levaram a dupla ao título do WTA 500 de Sydney, torneio preparatório para o Grand Slam australiano, na semana passada.

Em Melbourne, o primeiro set deu o tom da partida, com muita oscilação por parte das duas duplas. Bolsova e Eikeri foram ligeiramente superiores, com duas quebras de saque, contra apenas uma da parceria de Bia. E levaram a parcial, abrindo vantagem no confronto.

No segundo set, a espanhola e a norueguesa quebraram o saque da dupla da brasileira logo no primeiro game. Bia e Danilina reagiram rapidamente e viraram para 3/1, dando sequência a um festival de quebras nos games seguintes. Mais concentradas, a brasileira e a casaque foram mais consistentes, empataram o duelo e forçaram a disputa do terceiro set.

Na terceira e decisiva parcial, o duelo começou equilibrado, até que Bolsova e Eikeri faturaram a primeira quebra do set, no terceiro game, abrindo 2/1. Bia e Danilina caíram de produção e as rivais dispararam no placar. Abriram 4/1. Mas a parceria da brasileira não desanimou e impôs forte virada: 5/4.

O duelo retomou o equilíbrio e as adversárias forçaram o tie-break. Mas a brasileira e a casaque mantiveram o nível elevado, cometeram menos erros não forçados e construíram rapidamente boa vantagem para selar a suada vitória, rumo às quartas de final.

Em busca da vaga na semifinal, Bia e Danilina vão enfrentar agora a dupla formada pela sueca Rebecca Peterson e pela russa Anastasia Potapova.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Bia Haddad avança nas duplas no Aberto da Austrália e faz história no tênis brasileiro

Esse é o melhor resultado de uma brasileira no Grand Slam disputado em Melbourne em toda a era aberta da modalidade

Redação - Estadão Conteúdo

Beatriz Haddad Maia fez história no tênis brasileiro na noite deste sábado, já domingo no horário de Melbourne. A tenista avançou às quartas de final da chave de duplas do Aberto da Austrália, ao lado da casaque Anna Danilina, e obteve o melhor resultado de uma brasileira no Grand Slam australiano em toda a era aberta do tênis, iniciada em 1968.

Foi ainda o melhor resultado de uma tenista do Brasil no Aberto da Austrália desde a grande Maria Esther Bueno, lenda do tênis nacional. Ela foi vice-campeã em solo australiano na chave de simples e semifinalista em duplas em 1965, e campeã nas duplas em 1960.

Bia Haddad vibra com nova vitória no Aberto da Austrália Foto: EFE/ DEAN LEWINS

Para registrar seu nome mais uma vez na história do tênis brasileiro, Bia eliminou a espanhola Aliona Bolsova e a norueguesa Ulrikke Eikeri com uma grande virada, por 2 sets a 1, com parciais de 3/6, 6/4 e 7/6 (10/5), em uma batalha de 2h34min.

Continua após a publicidade

O resultado marca ainda a melhor campanha de Bia num torneio de Grand Slam, contando tanto simples quanto duplas. Ao alcançar as oitavas, ela já havia igualado as melhores campanhas de brasileiras num torneio deste nível na era aberta. Cláudia Monteiro havia alcançado esta fase em 1982 e Luisa Stefani fez o mesmo em 2020 e no ano passado.

Bia e a tenista do Casaquistão estão em grande forma neste começo de temporada. Elas somam agora sete vitórias consecutivas, incluindo os jogos que levaram a dupla ao título do WTA 500 de Sydney, torneio preparatório para o Grand Slam australiano, na semana passada.

Em Melbourne, o primeiro set deu o tom da partida, com muita oscilação por parte das duas duplas. Bolsova e Eikeri foram ligeiramente superiores, com duas quebras de saque, contra apenas uma da parceria de Bia. E levaram a parcial, abrindo vantagem no confronto.

No segundo set, a espanhola e a norueguesa quebraram o saque da dupla da brasileira logo no primeiro game. Bia e Danilina reagiram rapidamente e viraram para 3/1, dando sequência a um festival de quebras nos games seguintes. Mais concentradas, a brasileira e a casaque foram mais consistentes, empataram o duelo e forçaram a disputa do terceiro set.

Na terceira e decisiva parcial, o duelo começou equilibrado, até que Bolsova e Eikeri faturaram a primeira quebra do set, no terceiro game, abrindo 2/1. Bia e Danilina caíram de produção e as rivais dispararam no placar. Abriram 4/1. Mas a parceria da brasileira não desanimou e impôs forte virada: 5/4.

O duelo retomou o equilíbrio e as adversárias forçaram o tie-break. Mas a brasileira e a casaque mantiveram o nível elevado, cometeram menos erros não forçados e construíram rapidamente boa vantagem para selar a suada vitória, rumo às quartas de final.

Em busca da vaga na semifinal, Bia e Danilina vão enfrentar agora a dupla formada pela sueca Rebecca Peterson e pela russa Anastasia Potapova.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.