Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Bia Haddad é suspensa provisoriamente pela ITF por suspeita de doping

Entidade máxima do tênis mundial informa ter encontrado substâncias proibidas em amostras colhidas durante torneio na Croácia, em junho

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S. Paulo

23 de julho de 2019 | 13h19

Atual tenista número 1 do Brasil, Beatriz Haddad Maia foi suspensa provisoriamente pelo Programa Antidoping da Federação Internacional de Tênis (ITF, na sigla em inglês). O afastamento temporário da brasileira teve início na segunda-feira, segundo informou nesta terça a entidade que rege o tênis mundial. 

De acordo com a ITF, amostras da atleta de 23 anos colhidas durante o Torneio de Bol, na Croácia, revelaram a presença de duas substâncias proibidas pela Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês): metabólitos de SARM S-22 e SARM LGD-4033. Elas estão na categoria S1 da lista de substâncias proibidas da Wada deste ano.

As substâncias são consideradas "agentes anabólicos" pela entidade. SARM, sigla para "selective androgen receptor modulator" ou "moduladores seletivos do receptor de androgênio", é como se fosse uma versão aperfeiçoada dos esteroides anabolizantes tradicionais, que costumam ter efeitos prejudiciais a diversos órgãos do corpo.

A amostra de urina da brasileira foi colhida em 4 de junho deste ano e analisada pelo laboratório da Wada em Montreal, no Canadá. Pouco mais de um mês depois, no dia 12 de julho, Bia foi denunciada formalmente no artigo 2.1 do Programa Antidoping: "presença de substância proibida em amostra de jogador".

De acordo com a ITF, a tenista tem o direito de apelar ao Tribunal Independente da entidade para contestar a suspensão provisória. Mas ainda não fez valer este direito. A ITF não revelou quando haverá uma audiência para julgar o caso. Em comunicado, Bia se disse surpresa com o teste positivo em sua urina. "A atleta esclarece que jamais procurou obter vantagem indevida, sempre respeitou o jogo limpo e que trabalhará na sua defesa para provar sua inocência", informou a assessoria da tenista, atual 99.ª do mundo.

Procurada pela reportagem, a defesa de Bia disse que acabou de entrar no caso e, por isso, ainda analisa as primeiras informações sobre a apuração do doping. "Fomos constituídos recentemente e ainda estamos analisando o caso", afirmou o advogado Bichara Neto ao Estado.

Em ascensão desde o início do ano, Bia vive boa fase na temporada atual. Em seu último torneio, ela se destacou na grama de Wimbledon ao furar o qualifying e vencer a espanhola Garbiñe Muguruza, ex-número 1 do mundo e campeã em Londres, na primeira rodada. Por causa da boa campanha, Bia figurou na 96.ª posição do ranking da WTA. Há dois anos, alcançou a sua melhor colocação, com o 58.º posto na corrida.

PAN

Bia mudou sua programação, bem antes de ser pega no exame antidoping, e já sabia-se que ela não disputaria Os Jogos Pan-Americanos de Lima, que começam nesta sexta-feira, no Peru. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
tênisdopingBia Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.