Adrian Dennis/AFP
Adrian Dennis/AFP

Bia Haddad encara inglesa em Wimbledon para quebrar mais um jejum brasileiro

Brasileira pode se tornar a primeira tenista do País em 30 anos a chegar na terceira rodada de um Grand Slam

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2019 | 22h06

Beatriz Haddad Maia entrará em quadra às 7 horas da manhã (de Brasília) desta quinta-feira em busca de mais uma marca importante no tênis feminino. Se vencer a local Harriet Dart em Wimbledon, ela vai encerrar um jejum de 30 anos sem uma brasileira em uma terceira rodada de um Grand Slam.

As últimas foram Andréa Vieira, mais conhecida como Dadá, e Niége Dias, que avançaram até esta fase de Roland Garros em 1989. Desde então, nenhuma outra brasileira conseguiu vencer mais de dois jogos numa chave de simples de um Major. Curiosamente, a boa campanha de Bia acontece pouco mais de um ano após a morte de Maria Esther Bueno, maior tenista da história do País, dona de oito títulos na grama de Wimbledon.

Contra a atual 182ª do mundo, a tenista do Brasil busca sua quinta vitória na competição. Ela vem de três triunfos seguidos no qualifying e do grande resultado sobre a espanhola Garbiñe Muguruza, naquele que foi a segunda maior vitória de sua carreira. Muguruza já foi número 1 do mundo e foi campeã em Londres em 2017.

O triunfo confirmou a ascensão da brasileira no circuito. Em fevereiro, ela derrubara a norte-americana Sloane Stephens, então número quatro do mundo, em Acapulco, no México. Foi o melhor resultado do tênis feminino brasileiro na era aberta do tênis - período iniciado em 1968.

Outro grande triunfo aconteceu em maio de 2017, quando Bia superou a australiana Samantha Stosur, ex-número 4 do mundo e campeã do US Open de 2011. Na época, a brasileira chegou a figurar na 58ª posição do ranking. Problemas de lesão, contudo, derrubaram a tenista no ranking. Ela chego a sair do Top 200. Hoje é a 121ª.

Nesta quinta, ela é a favorita contra a tenista da casa. Será o primeiro confronto entre elas no circuito profissional. "Quero levar para a quadra a energia de tudo que aconteceu no jogo contra a Muguruza, sempre confiante e feliz", projeta Bia, atual número 1 do Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.