Pavel Lebeda/TK Sparta Praha
Pavel Lebeda/TK Sparta Praha

Bia Haddad Maia admite 'longo caminho a trilhar', mas projeta um 2018 positivo

Após ganhar inúmeras posições no ranking e terminar o ano em 71.º lugar, tenista espera manter evolução

Estadão Conteúdo

31 de dezembro de 2017 | 15h09

Depois de ganhar inúmeras posições no ranking da WTA e terminar o ano no Top 100, como 71.ª colocada, Beatriz Haddad Maia está esperançosa em manter a evolução em 2018 e superar a sua melhor marca, a de número 58 do mundo.

+ Com estreia de Bia, Brasil terá 13 tenistas no Aberto da Austrália

Embora reconheça que seus desafios serão difíceis, Bia Haddad Maia acredita que terá um ano vitorioso. "Espero ter um 2018 bastante positivo, me mantendo saudável e buscando minha evolução a cada dia, trabalhando firme sempre. Tenho ainda um longo caminho a trilhar pra chegar onde acredito que possa chegar", reconheceu a tenista, que está na Nova Zelândia se preparando para as primeiras competições da temporada.

Seu primeiro desafio no ano, aliás, não será fácil. Inscrita para o WTA de Auckland, que começa nesta segunda-feira, a tenista número 1 do Brasil vai enfrentar na estreia a polonesa Agnieszka Radwanska, quarta favorita, ex-número 2 do mundo e atual 28.ª. As duas jamais se enfrentaram anteriormente.


Depois de Auckland, Bia Haddad Maia ainda disputará o WTA de Hobart, na Nova Zelândia. E, por fim, joga o primeiro Grand Slam da temporada, o Aberto da Austrália. Feliz com a sequência na Oceania, a brasileira destaca a importância de ter bons parceiros, algo difícil hoje para o tênis brasileiro.


A tenista, que já contava com o apoio da Pro-Style Coach, Eurofarma, Expressa, Head, Solinco e CBT, fechou recentemente novas parcerias com a Joma (marca esportiva espanhola) e a SantoDigital (consultoria de negócios em tecnologia).


"Sou grata a todos esses parceiros que confiam em mim. Fico muito feliz em fazer parte da história de cada, assim como eles fazem parte da minha vida. Sem eles, seria impossível e inviável viajar o circuito da WTA e representar o Brasil mundo afora", destacou. "Obrigada por tornarem meus sonhos e objetivos possíveis, me deixando tranquila dentro de quadra e fazendo o que eu sei de melhor, que é jogar tênis".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.