Brasil busca título inédito na Davis

Nunca em toda sua história, o Brasil esteve em condições tão favoráveis para chegar a disputa do título da mais fascinante competição por equipes do tênis mundial: a Copa Davis. Nesta semana, Guga e Cia (Gustavo Kuerten, Fernando Meligeni, Jaime Oncins e Alexandre Simoni) iniciam uma batalha e tanto, diante da Austrália, jogando em Florianópolis de sexta-feira a domingo e, em caso de vitória, passam para as semifinais do Grupo Mundial, quando teriam pela frente Rússia ou Suécia, mais uma vez, com o mando de jogo.A vantagem de se jogar em casa na Davis é significativa. O Brasil para pegar a Austrália escolheu um local ao nível do mar, Florianópolis, uma superfície de saibro e ainda vai contar com o apoio de mais de dez mil torcedores. Todas estas condições favorecem o time brasileiro, que gosta do jogo lento, enquanto os australianos preferem as quadras mais rápidas, como a grama.Só que a Austrália promete ser uma pedra do caminho do Brasil na tentativa de chegar pelo segundo ano seguido a fase semifinal do Grupo Mundial. Com Patrick Rafter e Lleyton Hewitt, que já treinaram nesta segunda-feira em Florianópolis, o time australiano ameaça o falado favoritismo do Brasil. Os dois tenistas titulares, tanto de simples como de duplas, possuem indiscutível talento e vêm confiantes com as semifinais do Ericsson Open, o Masters Series de Miami, encerrado domingo.Apesar da ameaça, Guga está otimista. Depois de treinar mais uma vez debaixo de um sol forte em Florianópolis, não escondeu sua ansiedade e confiança. "Com a chegada do Rafter e do Hewitt, já começamos a sentir o clima da Davis", afirmou o tenista. "Todos nós da equipe estamos motivados e acho que o Brasil é um pouco favorito." O cuidado de Guga em não exagerar nas expectativas tem bons motivos.A Austrália tem muita tradição na Copa Davis e tenta este ano chegar a terceira final consecutiva, depois de ter perdido o título de 2000 para a Espanha, em um conturbado confronto disputado em Barcelona.A equipe australiana chega ao Brasil com alguns problemas que o técnico John Fitzgerald tenta ignorar. Depois de Mark Philippoussis se desententer com o grupo e afastar-se da equipe (também por problemas físicos), agora o reserva Andrew Ilie (australiano de origem romena) não viajou para Florianópolis. Por sorte, já estavam na cidade outros dois jogadores, Richard Fromberg e Scott Draper, e um deles será incluido nos quatro do time.Nas escalações, também não há perspectivas de surpresas. Guga, o número 1 do Brasil, pega Rafter (dois australiano) na primeira rodada na sexta-feira, enquanto Fernando Meligeni faz seu duelo com Lleyton Hewitt. Para as duplas, os brasileiros deverão contar com Jaime Oncins e Alexandre Simoni, enquanto Rafter e Hewitt jogarão pela Austrália.As partidas da Davis são jogadas em melhor de cinco sets. Na sexta-feira o número 1 de um país enfrenta o dois do outro. No sábado, haverá duplas e no domingo, na primeira partida jogam os dois números 1, Guga x Hewitt, e a seguir os números 2. Os ingressos para os 12 mil lugares da quadra na Beira Mar Norte, em Florianópolis, já estão esgostados e as partidas serão transmitidas pela SporTV.Além de Brasil x Austrália, jogam também pelas quartas-de-final do Grupo Mundial Suécia x Rússia, Suíça x França e Holanda x Alemanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.