Brasil é favorito na Davis, diz Guga

Na entrevista que concedeu nesta sexta-feira, Gustavo Kurten falou sobre a Copa Davis, que será realizada em abril, em Florianópolis, contra a forte equipe australiana. Uma possível participação de Mark Philippoussis, ainda incerta, não preocupa Guga: "Eles podem entrar com três ou quatro equipes diferentes que nada muda. Temos boas chances, o Fino (Fernando Meligeni) e o (Alexandre) Simoni estão em boa fase. O Jaime (Oncins) também entrou no ritmo, e até mesmo o (Flávio) Saretta está indo bem, mesmo tendo sido eliminado do Delray Beach, na Flórida." A confiança do tenista é tanta que ele joga a responsabilidade da vitória para os brasileiros. "Pôxa, nós temos um time forte, temos que pensar que somos os favoritos. Vamos estar jogando em casa", disse com convicção. O número de opções que o capitão da equipe brasileira, Ricardo Acioly, teve na última etapa da Copa Davis, que foi realizada no Rio de Janeiro contra o Marrocos, tirou um pouco do peso das costas de Guga, que não precisou jogar nas duplas- formada por Oncins e Simoni. Mas o brasileiro não elimina a possibilidade: "Se precisar, vou jogar. Não acho que vá ser preciso. O Simoni já ganhou confiança, é uma boa opção." Por enquanto Marat Safin, que está na segunda posição do ranking, não ameaça Guga, já que o russo não participará de Indian Wheels deviado a uma lesão nas costas. O brasileiro garantiu que não se importa muito com o topo do tênis mundial: "Não importa se o Safin vai estar participando ou não. Se eu me sinto bem, não tem problema estar em primeiro ou segundo. Se começar a cair e ficar depois dos 10 melhores, vou começar a me preocupar. Enquanto estiver entre os quatro já está bom." Mesmo que seu maior rival da atualidade estivesse em plena forma, o brasileiro não o apontaria como único adversário na briga pela liderança da modalidade. "Certamente ele é um dos que vão estar na briga, quando entra em uma seqüência de vitórias, não há que o pare.Mas só tenho de fazer a minha parte." Ainda embalado pelo clima da Davis, Guga ainda teve tempo de brincar com os jornalistas. Quando questionado sobre seu estilo "camaleão", também adotado pelo australiano Patrick Rafter, que raspou seus longos cabelos e mudou o visual radicalmente, o brasileiro entregou: "Meu cabelo está legal assim, todo mundo acha que está bonito. Não vou mudar por um bom tempo..."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.