Brasil Open leva emoção e torcida ao Sauípe

O cenário é de um paraíso: praias, a exuberante natureza do litoral baiano, ladeada por hotéis de primeiro mundo. A organização ganhou prêmios noano passado. E agora, na terceira edição, o Brasil Open promete levar emoção e torcida à Costa do Sauípe, na principal competição do calendário do tênis brasileiro, com os jogos da chave principal começando nesta segunda-feira. A disputa terá quatro jogadores entre os 20 primeiros do ranking mundial, um privilégio para torneios da categoria ATP Tour,com o alemão Rainer Schuettler, o holandês Sjeng Schalken, o brasileiro Gustavo Kuerten e o chileno Fernando Gonzalez partindo como os principais favoritos ao título. A presença de um número maior de bons jogadores no Brasil é resultado da mais simples e eficiente forma de propaganda, o boca-a-boca. Afinal, com tantas competições na Europa e Estados Unidos, muitos tenistas preferem não se arriscar a cruzar o Atlântico para jogar. Mas, nas conversas de vestiários, muitos se convenceram de que o Brasil Open mereceu os prêmios de excelência dados pela ATP, a Associação dos Tenistas Profissionais, que colocou a competição brasileira entre as melhores do circuito. Sem exageros, a estrutura do Brasil Open pode ser comparada a algumas competições do Masters Series, como Montecarloou mesmo Hamburgo. É claro que não se pode colocar nos mesmos padrões de Masters Series dos Estados Unidos, que contam com verdadeiros estádios para mais de dez mil pessoas, em complexos gigantescos. No seu ritmo e tamanho, o Brasil Open revela seu talento e este ano tem o desafio de Gustavo Kuerten. Afinal, ele espera afugentar a má fase na defesa do título diante de sua torcida. "Jogar no Sauípe é sempre muito especial", assegurou o tenista. "Sempre venho com muitas perspectivas." Além de Guga, a torcida brasileira ainda terá Flávio Saretta, que tem planos ousados. Disse que não quer apenas participar do Brasil Open, mas ganhar o título. Se acreditar é um dos ingredientes para grandes conquistas, Sarettinha começou bem. O tênis brasileiro ainda terá a força de tenistas da nova geração como Franco Ferreiro e a organização premiou e acreditou em André Sá com um wild card - convite-. Ricardo Mello entrou direto na chave, em razão da desistência de alguns tenistas. A chave será sorteada neste domingo e também serão conhecidos os wild cards restantes. O qualifying que começou neste sábado está previsto para terminar na segunda-feira, definindo os últimos quatro classificados para a competição, que distribui US$ 380 mil e pontos para o ranking mundial e corrida dos campeões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.