Brasil perde e é rebaixado na Copa Davis

E o Brasil foi para a segunda divisão da Copa Davis. No quinto e decisivo jogo do confronto diante do Canadá, em Calgary, Flávio Saretta não conseguiu o ponto salvador e perdeu para Frank Dancevic por 3 a 1, parciais de 6/3, 7/5, 3/6 e 7/6 (9/7). No jogo anterior, Gustavo Kuerten tinha mantido as esperanças brasileiras, com vitória sofrida sobre Simon Larose por 7/6 (7/4), 7/6 (7/4), 3/6 e 7/6 (12/10), mas agora o tênis brasileiro vai ter de amargar o complicado e nada interessante zonal americano, fora da elite mundial.O Brasil não vivia as agruras de uma segunda divisão da Davis, desde 1996, quando o emergente Gustavo Kuerten fez Thomas Musters "correr". No confronto realizado no hotel Transamérica em São Paulo, o tenista austríaco, então uma das estrelas do tênis mundial, fugiu do jogo irritado com as provocações da torcida e facilitou a ascensão do time brasileiro.Depois com Guga vivendo sua melhor fase, o Brasil sempre freqüentou a elite do tênis mundial, ora ou outra disputando repescagem, mas nunca sendo tão ameaçado como agora. Ir para o zonal americano significa prejuízos e queda de interesse. Os confrontos passarão a ser com países na mesma situação da América Latina. E é claro sem jogos contra os grandes como Austrália, Espanha e França, que vieram recentemente ao Brasil, a Confederação Brasileira de Tênis (CBT) vai sofrer duras penas e, com ela, o tênis nacional.Na partida decisiva com o Canadá, Flávio Saretta não conseguiu impor o seu jogo de um dos 50 melhores do ranking mundial, contra um adversário acima dos 200, como Dancevic. O brasileiro sentiu a responsabilidade, o clima da torcida, a quadra de carpete e a velocidade do jogo. Perdeu os dois primeiros sets cometendo muitos erros, mas deu esperanças de reação ao vencer a terceira série e mostrar a melhor qualidade de seu tênis no quarto set. Mas nem isso foi suficiente numa hora tão importante. Caiu no tie-break para dissabor do tênis brasileiro.No jogo anterior, Guga fez o seu papel. Havia perdido o primeiro jogo na sexta-feira para Daniel Nestor e, com dificuldades, conseguiu empatar o confronto ao vencer Simon Larose, adversário que havia perdido recentemente no Masters Series de Montreal.Só que enquanto o Brasil tentava sobreviver, o Canadá aproveitou sua melhor chance nos últimos anos e volta ao Grupo Mundial, de onde estava distante desde 1992. Fez uma festa, pois agora vai enfrentar os grandes do tênis, enquanto os brasileiros voltarão a confrontos acirrados diante dos países vizinhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.