Brasil vai ter bola especial na Davis

O Brasil vai usar bolinhas da marca Roland Garros no confronto com a Austrália, pelas quartas-de-final da Copa Davis. A escolha faz parte de uma guerra psicológica para intimidar os adversários. Afinal, a equipe brasileira tem o bicampeão de Roland Garros, Gustavo Kuerten, um semifinalista de simples, Fernando Meligeni, e outro semifinalista de duplas, Jaime Oncins. A estratégia faz parte de um contra-ataque para os autralianos que há mais de um mês deram início a uma "guerra fria" exigindo, por influência nos bastidores, que a Federação Internacional de Tênis (ITF) designasse para o confronto o árbitro britânico Alan Mills para supervisionar o confronto.Além disso, tenistas como Patrick Rafter demonstraram-se exageramente preocupados com as possíveis hostilidades da torcida e o capitão da Austrália, John Fitzgerald, lembrou os problemas enfrentados com os torcedores espanhóis na final da Davis do ano passado.A bolinha Roland Garros é, na verdade, a britânica Slagenzer que a pedido da grife francesa recebe uma nova marca. Suas características são convenientes para os brasileiros. É considerada uma bola lenta e especial para quadras de saibro, exatamente como pleneja o técnico da equipe brasileira Ricardo Acioly.Esta não é a primeira vez que um confronto da Copa Davis vai usar bolinhas do mais famoso torneio francês. Os jogos de Brasil e Espanha, em Lérida, em que os brasileiros surpreenderam os espanhóis, também contou com a bolinha Roland Garros. Na época, a estratégia espanhola era a de criar um fator psicológico favorável, pois Carlos Moya e Alex Corretja haviam participado da recente final do Aberto da França, em 1998.No Brasil, a bolinha Roland Garros não é comercializada habitualmente. Por isso, a equipe brasileira da Copa Davis teve de usar seus conhecimentos para garantir um bom lote de importação, o que, de qualquer maneira, vai servir também de uma bela propaganda para esta marca. No último confronto entre Brasil e Marrocos, no Rio, a bolinha usada foi Wilson - US Open -.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.