Brasil vence a Colômbia na Davis

O Brasil, que estava sem ganhar um confronto da Copa Davis desde setembro de 2002, marcou 3 a 0 na Colômbia e retoma seu caminho rumo ao Grupo Mundial, depois de boicote e uma série de fracassos e brigas políticas. Com a volta dos principais jogadores o time (exceção ainda de Gustavo Kuerten), a equipe brasileira, agora comandada por Fernando Meligeni, passou para as semifinais do Grupo II do Zonal Americano. O terceiro ponto veio com a vitória da dupla Andre Sá e Bruno Soares sobre Pablo González e Michael Quintero, por 6-3, 6-4, 2-6 e 6-1. Um pouco antes, Ricardo Mello tinha confirmado sua vantagem sobre Quintero, no segundo jogo de simples, suspenso no dia anterior pela chuva, ao marcar 6-3, 6-4 e 6-3.Com a vitória sobre a Colômbia garantida, os jogos deste domingo em Bogotá serão disputados em melhor de três sets. Meligeni já adiantou que jogarão André Sá e Bruno Soares, que fará sua estréia nas simples. O Brasil vai jogar as semifinais do Grupo II, de 15 a 17 de julho, diante do vencedor de Antilhas Holandesas que lidera o confronto com a Jamaica, por 2 a 1, depois da vitória da dupla Raoul Behr e Jean-Julien Roja sobre Marvin Rollo e Ryan Sweeting por 6-4, 6-4 e 6-4.Um dos mais felizes com esta vitória do Brasil era Ricardo Mello, que sentiu um sabor especial neste resultado. Afinal, foi sua estréia em jogos da Copa Davis. O tenista já tinha sido convocado nos tempos do capitão Ricardo Acioly, mas agora entrou na equipe como o número 1 e não decepcionou. Jogou concentrado e vibrou a cada ponto, revelando a importância deste momento para sua carreira. Exatamente por isso comemorou com entusiasmo com o capitão Fernando Meligeni o bom resultado alcançado.E ressaltou o espírito da Davis, com os bons fluidos que recebeu dos outros jogadores, vibrando a cada ponto conquistado. "A Davis é realmente diferente de outros torneios", afirmou Mello. "É muito importante vibrar nos pontos e nos momentos mais difíceis sempre olhava para a equipe e dava para sentir os bons fluidos. Aprendi muito esta semana com o Meligeni. Ele me passou muita experiência e foi legal tê-lo ao meu lado na quadra."Para Mello este incentivo vindo de toda equipe o ajudou a superar algumas dificuldades na partida, como o cansaço por causa da altitude de Bogotá. "Depois de um ponto mais longo, sentia a falta de oxigênio e nestas horas era importante saber que tinha o apoio do Meligeni e dos outros jogadores para manter a concentração na partida."União - Em meio a festa da comemoração, Fernando Meligeni, carregado nos braços pelo resto da equipe, não disfarçava seu entusiasmo pelos bons resultados alcançados em todos os aspectos. "É preciso destacar o tudo de bom que esta vitória fez para este grupo", acentuou o novo capitão brasileiro. "Falaram em problemas internos, mas esta foi a grande lição que os jogadores puderam dar, comprovando a união deste time, todos lutando pelo mesmo objetivo e jogando com alegria."O reconhecimento veio dos próprios jogadores, com agradecimentos aos bons ensinamentos que receberam durante esta semana de treinos e jogos em Bogotá. "Espero que esta tenha sido a primeira de muitas vitórias", disse Meligeni. "Todos lutaram muito para isso e nestes dias, procurei passar toda minha experiência, transmitir tudo que sei e pedi para que nunca baixassem a guarda, mesmo se estivessem sentindo os efeitos da altitude."A conhecida garra de Meligeni acabou contagiando a todos. André Sá revelou que sentiu prazer e determinação em formar uma nova dupla com Bruno Soares e esteve sempre atento na partida para não cometer erros e ajudar o parceiro. "Acho que agora tiramos um pouco da pressão sobre a gente, mas temos muito ainda pela frente." Com esta vitória, o Brasil abriu as portas para voltar ao Grupo Mundial da Davis, o que só poderá acontecer, no entanto, em 2007, pois a equipe brasileira, em razão do boicote realizado ano passado, caiu para a terceira divisão.Para retornar à elite, é preciso vencer o Grupo II, do zonal americano, depois disputar o Grupo I no próximo ano e só então ter a chance de classificar-se para o playoff, em 2007, e com nova vitória poderia finalmente estar entre as 16 nações do Grupo Mundial da Davis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.