Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Brasileiro está por trás da retomada de Eugenie Bouchard no circuito de tênis

Desde o fim do ano passado, Cassiano Costa é responsável pela preparação física da tenista canadense

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

03 de abril de 2017 | 06h00

O encontro da tenista Eugenie Bouchard com um fã depois de uma aposta no Twitter sobre o resultado do Super Bowl, final da liga de futebol americano, gerou repercussão no mundo todo. Mas a atleta não quer que os holofotes fiquem sobre seus passos apenas fora de quadra. Depois de chegar ao posto de número 5 do mundo, em 2014, a canadense viu o desempenho despencar e hoje ocupa o 56º lugar no ranking da WTA. Para voltar ao top 10, tem investido na preparação física e, desde o fim do ano passado, conta com o auxílio do brasileiro Cassiano Costa nessa empreitada.

Alimentação equilibrada, hidratação e aumento de massa muscular estão entre os pilares desse trabalho. "Nossa intenção é deixar o peso dela mais constante, iniciar a semana do torneio perto dos 67 kg. As pessoas acham que ela é muito preocupada com a aparência, mas ela quer um corpo que seja eficiente para jogo", conta o profissional. Atualmente, a tenista oscila entre 63 kg (durante as competições) e 65 kg (no período de treinamentos). Ganhar peso sem desequilibrar uma equação que envolve força e potência é uma das preocupações de Cassiano.

O cardápio diário da tenista é escolhido com muito cuidado. Uma boa quantidade de proteína não pode faltar, assim como uma porção de arroz ou quinoa em cada refeição. O preparador físico e sua mulher são responsáveis até pelo pedido nos restaurantes e evitam macarrão na dieta da cliente.

O bom rendimento de "Genie" também deve-se a uma bebida especial. Desenvolvido por um grupo de argentinos para ajudar no combate da desidratação infantil nos Estados Unidos, o "Speed Light" foi levado ao esporte por Cassiano com o intuito de ajudar os atletas que sofrem com umidade e calor.

"Eles encapsularam algumas substâncias, que aumentam a pressão com que o líquido entra no estômago, se distribui no intestino e vai para a circulação, com isso, o músculo recebe os componentes um pouco mais rapidamente. Em uma situação de jogo, o atleta tem disponibilidade de energia mais rápido", explica. O "segredo", entretanto, deve se disseminar em breve.

 

If it has avocado AND quinoa it's a mandatory insta

Uma publicação compartilhada por Genie Bouchard (@geniebouchard) em

Outra particularidade da preparação física da tenista é a incorporação de elementos do futebol, como a coordenação do uso dos pés, a reação rápida no primeiro passo e a agilidade. "Uma das virtudes que tenho é análise e execução de movimento. Foi o futebol que me trouxe", afirma Cassiano. Isso se deve à estreita ligação do preparador físico com o esporte.

Em 2005, foi auxiliar de preparação física do Corinthians, que na época era liderada por Fábio Mahseredjian - atualmente na seleção brasileira de Tite. Também morou na Holanda para trabalhar na recuperação do lateral-esquerdo Maxwell e teve uma passagem como preparador físico na base do Palmeiras. Foi parar no tênis por meio de Raí. O ídolo do São Paulo tinha uma empresa que agenciava a carreira de Flávio Saretta e aceitou a indicação do amigo Renato Lotufo, integrando Cassiano na equipe.

A carreira do brasileiro no mundo do tênis ascendeu. Atuou nos bastidores com Thomaz Bellucci, número 1 do Brasil, e com a russa Vera Zvonareva, até chegar na IMG - famosa academia de tênis nos Estados Unidos. Auxiliou na preparação de cerca de 30 tenistas que disputaram os Jogos Olímpicos do Rio em quatro anos de muito trabalho. Antes de fechar com Eugenie Bouchard, voltou às origens: passou uma temporada no Los Angeles Strikers, clube de futebol norte-americano.

Atualmente, dedica-se exclusivamente ao desenvolvimento da tenista. Para ser acompanhada por Cassiano no circuito mundial, "Genie" faz um investimento que varia de US$ 100 (R$ 312) a US$ 300 (R$ 625) a cada viagem ao pagar uma mala extra, composta por cerca de 20 kg de equipamento. "Levo o convencional do tênis - escadinha, borracha, cinto de tração -, um conjunto de luzes para treino de reação, uma roupa de compressão que posso adicionar peso, uma polia cônica para treinamento de força e um shorts que tem eletromiografia acoplado para avaliaçao da ativação muscular", conta. Nesta temporada, o planejamento da canadense inclui de 20 a 23 torneios.

O preparador físico brasileiro reconhece que a condição financeira é um fator importante no desenvolvimento da carreira da tenista, mas ele ressalta, sobretudo, a atitude vencedora e o empenho de Eugenie Bouchard. Empolgado com o trabalho, Cassiano Costa também é só elogios ao falar da jovem de 23 anos. "Ela é super divertida, muito profissional, respeitosa e, como toda atleta de alto nível, é competitiva. Nos torneios, é extremamente focada, mas é muito tranquila. Quando tem tempo, dá muita atenção aos fãs."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.