Brilho, fama e tradição abrem Wimbledon

Tradição, brilho, muita grana e um tremendo jogo de marketing fazem de Wimbledon um dos mais estrondosos torneios do planeta. Há uma atmosfera especial nesta competição, única do Grand Slam que usa quadras de grama e é disputada em um clube exclusivo, aristocrático e fechado todo o resto do ano, mas que nestas duas semanas transforma-se num parque para todos os amantes do tênis. A tradição manda - e será cumprida - com o campeão do ano passado, o suíço Roger Federer, abrindo os jogos da quadra central, fazendo sua estréia diante de um perigoso adversário, o francês Paul-Henri Mathieu. O dia de abertura também terá o único brasileiro em Wimbledon, Ricardo Mello, que vai à quadra 6, para enfrentar o britânico David Sherwood, apenas o número 260 do ranking mundial. O brilho da campeã do ano passado, Maria Sharapova, promete estar ainda mais visível este ano. A mulher mais rica do esporte na atual temporada, com previsão de ganhos de mais de US$ 22 milhões, vai colocar um detalhe a mais em sua exuberância. Usará um tênis com pontos de ouro de 18 quilates e um vestidinho branco, no estilo que definiu como "summer dress". "Meu tênis certamente vai chamar a atenção e pode até distrair um pouco minhas adversárias", disse Maria, entre risos e ironias. "Nem sei quanto custa. Acho que não está à venda, mas se estivesse deveria custar entre 600 a 800 euros". Seu jogo de estréia diante da espanhola Nuria Llagosterra será apenas nesta terça-feira. Milionária e grande estrela, Sharapova está no luxuoso Saint James Hotel, enquanto Federer revelou que preferiu manter o esquema dos últimos dois anos, alugando um apartamento próximo ao clube, no Village. "Estou a uma pequena caminhada das quadras", contou Federer na tradicional entrevista do campeão. "Além disso, gosto muito da comidinha da minha namorada Mira (apelido de Miroslava Vaurinec)". Nem só Federer, mas muitos outros jogadores costumam alugar imóveis, ou até mesmo quartos em casas próximas a Wimbledon, para assim evitar diárias e viagens desde Londres, às vezes, com trânsito intenso e demorado. Federer vem bem preparado e no torneio de "aquecimento" em Halle conquistou os títulos de simples e de duplas. Além do campeão de 2004, a programação da quadra central do All England Club terá ainda nesta segunda-feira Lindsay Davenport diante de Alina Jikova, da Rússia, e o tailandês Paradorn Shrichaphan joga com Marat Safin, que apesar de problemas de ligamentos no joelho vai jogar. Este ano, Wimbledon pagará ao campeão 630 mil libras, mais de US$ 1,1 milhão. Uma derrota na primeira rodada já assegura ao jogador um cheque de mais de US$ 15 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.