Andy Rain/EFE
Andy Rain/EFE

Penta no ATP Finals, Djokovic arrecada R$ 80 milhões em prêmios

Tenista número 1 do mundo conquistou 11 títulos na temporada

O Estado de S. Paulo

23 Novembro 2015 | 10h02

Pentacampeão no ATP Finals, Novak Djokovic encerra uma temporada incontestável e continua escrevendo seu nome entre as lendas do tênis. O sérvio conquistou 11 títulos em 2015 e liderou o ranking da ATP do início ao fim do ano, fato inédito desde que quebrou a hegemonia de Roger Federer e Rafael Nadal e apareceu pela primeira vez na ponta, em 4 de julho de 2011. 

Com 82 vitórias e apenas seis derrotas no ano, Djokovic faturou alto. Foram US$ 21,59 milhões (R$ 80,5 milhões na cotação atual) em prêmios em 2015, o maior valor obtido por um tenista em apenas uma temporada. Para comparação, o sérvio ganhou US$ 12 milhões (R$ 45 milhões) por sua campanha em 2011, ano que levantou 10 taças. Ao todo, ele recebeu US$ 94 milhões (R$ 350 milhões) na carreira e fica atrás na arrecadação apenas de Federer, que está em atividade há mais tempo e totaliza US$ 97,3 milhões (R$ 362 milhões).

Os três títulos de Grand Slam (Aberto da Austrália, Wimbledon e US Open), os seis troféus de Masters 1000 (Indian Wells, Miami, Montecarlo, Roma, Xangai e Paris) e o ATP 500 de Pequim, além do ATP Finals, dão a Djokovic 16.585 pontos no ranking mundial, quase o dobro dos 8.670 pontos do segundo colocado, o britânico Andy Murray.

"Com esse troféu ao meu lado, não poderia pedir um melhor fim de temporada. Nos últimos quatro anos eu consegui ganhar o ATP Finals, contra os melhores jogadores do mundo. Definitivamente essa temporada se destaca. Não posso dizer que esperava, de jeito algum. Isso obviamente me dá muita confiança para o que vier no futuro", comemora Djokovic.

Para 2016, o tenista tentará mais uma vez o título inédito de Roland Garros, em Paris. E a próxima temporada tem uma motivação extra: a Olimpíada do Rio. "Roland Garros é sempre um dos maiores desafios que tenho no ano, mas não é o único. Há também os Jogos Olímpicos que ocorrem a cada quatro anos."

Desgastado, Djokovic agora quer aproveitar a pausa para relaxar. "Estou pensando no descanso. Preciso de algum tempo para recarregar a bateria e, então, pensarei na próxima temporada. Eu tenho tentado dar igual atenção ao trabalho e à recuperação física e mental. Isso me dá longevidade, me permite ter os jogos e torneios que tive nos últimos anos."

 

Mais conteúdo sobre:
TênisNovak Djokovic

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.