Leonardo Benassatto/Reuters
Leonardo Benassatto/Reuters

Campeão em São Paulo, Fognini exalta apoio da torcida no Ibirapuera e adversário

Tenista italiano teve relação conturbada com os espectadores ao longo da semana no Brasil Open

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

04 Março 2018 | 17h10

Ao fim de sua passagem de duas semanas pelo Brasil, marcada por críticas e polêmicas, o tenista italiano Fabio Fognini fez as pazes com o público brasileiro na conquista do Brasil Open, neste domingo. O atual número 20 do mundo exaltou a torcida presente no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. Ele faturou o troféu do torneio de nível ATP 250 ao vencer na final o chileno Nicolas Jarry por 2 sets a 1.

Soares e Murray batem irmãos Bryan e se sagram bicampeões de duplas em Acapulco

Del Potro vence Kevin Anderson com facilidade e evanta 1ª taça da temporada no México

"É sempre dificil conquistar um título e hoje me senti bem em quadra e tive o apoio do público. Gostei muito desta combinação entre eu e o público", declarou o novo campeão do Brasil Open, após ouvir aplausos e vaias da torcida. As vaias foram exceção, em dois momentos em que descontou a raiva por erros na bolinha, arremessada para o alto.

Durante a semana, Fognini contou com o maior apoio do público em suas partidas, mesmo depois de disparar críticas contra os torneios brasileiros. Na semana passada, reclamou a qualidade do saibro do Rio Open e até disse que não voltaria ao País caso as competições não trocassem o tipo de piso pela quadra dura. Após o título, contudo, ele evitou comentar sobre sua presença nas futuras edições dos torneios brasileiros.

Fognini preferiu destacar as boas atuações no saibro do País. "Estou feliz porque eu joguei um bom tênis. Comecei um pouco mal, mas agora estou com o título", analisou o italiano, que foi semifinalista no Rio Open. "Me sinto feliz agora porque contra o [Fernando] Verdasco, na semi do Rio, fiz provavelmente o pior set desta gira (em torneios no saibro) e perdi. Mas não desanimei e continuei lutando."

O italiano ainda valorizou a vitória deste domingo ao fazer elogios ao rival, de apenas 22 anos e de futuro promissor. "Ele, com certeza, vai jogar muitas outras partidas importantes como essa. Ele é um bom jogador. Bate muito forte na bola e tem um grande saque", afirmou.

"Acho que sua tática hoje era apostar no saque e finalizar os pontos o mais rápido possível hoje", avaliou Fognini, que só conseguiu marcar seu primeiro ponto na final no quarto game. "Esperei um pouquinho porque ele sacava muito forte. E comecei a tomar um pouco de iniciativa", disse o italiano, ao explicar sua paciência para buscar a virada no placar.

Mais conteúdo sobre:
tênis Brasil Open Fabio Fognini

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.