Capitão do Brasil na Davis aprova quadra de BH e diz ser semelhante a do Rio-2016

Faltando menos de um mês para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a equipe do Brasil na Copa Davis não esconde que encara o confronto com o Equador, válido pelo Zonal Americano I, como teste e preparação para o grande evento de agosto. Nesta terça-feira, jogadores e o capitão João Zwetsch, aprovaram a semelhança da quadra dura da Arena Minas Tênis, que receberá o duelo em Belo Horizonte, com a quadra do Rio-2016.

Estadão Conteúdo

12 de julho de 2016 | 19h47

"A quadra está lenta, perfeitamente adequada ao que a gente queria. Belo Horizonte tem um pouco de altitude e a quadra e bola lenta dão uma boa equilibrada, bem próximo ao que vamos encontrar no Rio de Janeiro", comentou Zwetsch, após realizar o primeiro treino com toda a equipe brasileira na capital mineira.

Para os jogadores, a semelhança da quadra ajuda porque quase todos vinham de torneios disputados sobre outros tipos de superfície, principalmente grama (Wimbledon) e saibro. "É importante jogar em quadra rápida para se adaptar da melhor forma possível para a Olimpíada. Aqui em Belo Horizonte as condições estão muito semelhantes a que vamos encontrar no Rio", disse Thomaz Bellucci, o número 1 do Brasil em simples.

Anfitriões do confronto, os mineiros Bruno Soares e Marcelo Melo também aprovaram a quadra dura da Arena Minas Tênis. "Jogar em casa juntos vai ser bom também principalmente pelas condições serem muito similares a que vamos encontrar no Rio", comentou Melo.

"Em Belo Horizonte será duplamente especial e com sensações parecidas as que vamos encontrar no Rio. Davis e Olimpíada são competições diferentes do circuito e o nosso objetivo é ganhar o confronto pensando na Olimpíada", declarou Soares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.