Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Capitão e Bellucci dizem que Brasil pode bater os EUA

'É um confronto bastante duro, mas acredito que, se nos prepararmos bem novamente, podemos surpreendê-los', disse João Zwetsch

AE, Agência Estado

19 de setembro de 2012 | 12h53

SÃO PAULO - Pouco depois de saber que o Brasil terá de enfrentar os Estados Unidos, fora de casa, em seu retorno à elite da Copa Davis, o capitão da equipe nacional, João Zwetsch, evitou lamentar o resultado do sorteio que definiu o rival no confronto que será realizado entre os dias 1.º e 3 de fevereiro de 2013. Para ele, inclusive, o País tem plena condições de derrotar os norte-americanos, que ainda contarão com a vantagem de escolher o piso do embate diante dos brasileiros.

"É um confronto bastante duro, mas acredito que, se nos prepararmos bem novamente, podemos surpreendê-los", afirmou Zwetsch, que teve as suas palavras endossadas pelas de Thomaz Bellucci, o tenista número 1 do Brasil. "Demos azar, não foi o sorteio que a gente esperava, mas temos que acreditar e surpreendê-los", projetou.

Bellucci, porém, não deixou de reconhecer o favoritismo dos norte-americanos, que contam com John Isner, atual décimo colocado do ranking mundial, além dos irmãos Mike e Bob Bryan, a melhor dupla da atualidade no tênis. Com estes três tenistas e mais Sam Querrey para os jogos de simples, os Estados Unidos foram derrotados por 3 a 1 pela Espanha na semifinal da Davis, no último final de semana, em Gijón (ESP).

"Com certeza será um confronto muito duro e eles são os favoritos, logicamente, pois vão jogar em casa, escolher o piso, fizeram semi este ano e estão com um time bastante estruturado", disse Bellucci, que depois reiterou a sua confiança na força da equipe brasileira. "O Isner e os irmãos Bryan estão passando por um bom momento, mas nossa equipe está coesa, unida e isso, em Copa Davis, pode fazer a diferença", enfatizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.