Arquivo/AE
Arquivo/AE

CBT cobra explicações para eliminação do Brasil na Copa Davis

Presidente Jorge Lacerda atribui derrota para o Equador a falta de centro de treinamento para os profissionais

André Avelar - estadao.com.br,

22 de setembro de 2009 | 09h54

A derrota em casa para o Equador na Copa Davis, domingo, expôs a dura realidade do tênis brasileiro. O País ainda está longe de voltar a figurar entre os melhores no Grupo Mundial, do qual está fora desde 2003. Ao buscar tentar explicações para a longa fila, o presidente da Confederação Brasileira de Tênis (CBT), Jorge Lacerda, disse ontem que a construção de um centro de treinamento é fundamental.

especialTodas as notícias sobre a Copa Davis

  

O dirigente afirma que a entidade tentará, ainda este ano, a aquisição do centro, preferencialmente na cidade de São Paulo."Temos de concentrar os esforços no desenvolvimento dos nossos jogadores. Para isso, há a necessidade da criação de um centro de treinamento", diz Lacerda. "Enquanto não tivermos esse espaço, dificilmente conseguiremos sair dessa situação."

 

Após a derrota em Porto Alegre, o dirigente chegou a cobrar agilidade do Ministério do Esporte no repasse de verbas para o projeto. Lacerda afasta a responsabilidade de seus jogadores pelo fracasso nos duelos contra os equatorianos no Ginásio Gigantinho. E afirma que o País vive uma fase de reformulação.

"Nossa realidade era mascarada pelos talentos individuais de Guga, (Fernando) Meligeni e (Jaime) Oncins. Quando esses caras pararam de jogar nós caímos na realidade", diz Lacerda. "Passamos dois, três anos patinando até voltar a uma situação como essa (2ª Divisão da Copa Davis)."

 

No confronto com os equatorianos, o cenário era todo favorável ao time nacional. Mas nem o apoio dos mais de 6 mil torcedores nem a presença de Gustavo Kuerten e de Maria Esther Bueno foram suficientes. Os brasileiros foram inferiores aos irmãos Nicolas e Giovanni Lapentti, que garantiram o placar de 3 a 1. Thomaz Bellucci ainda conseguiu a segunda vitória do Brasil, mas era tarde e o resultado estava definido.

 

Em 2010, o Brasil terá pela frente Canadá, República Dominicana ou Uruguai para tentar retornar à repescagem do Grupo Mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.