CBT elege novo presidente amanhã

Reivindicação dos principais tenistas do País, liderados por Gustavo Kuerten, a eleição da Confederação Brasileira de Tênis (CBT) acontece nesta sexta-feira, às 15 horas, em Brasília. Afastado da presidência por ordem judicial, Nelson Nastás ainda tentou uma manobra de última hora, mas seu recurso foi negado.A crise política no tênis brasileiro se arrasta desde fevereiro, quando Guga, Saretta e os outros principais tenistas do País fizeram um boicote à equipe da Copa Davis, exigindo a saída de Nastás da CBT. O dirigente permaneceu no cargo e o Brasil acabou caindo para a terceira divisão do torneio. Acusado de irregularidades, Nastás foi afastado do cargo por ordem judicial no último dia 7. Seu recurso, negado na quarta-feira, questionava a decisão do interventor da entidade liberando o voto de todas as federações, mesmo as que estão devendo. Mas o juiz federal João Carlos Costa Mayer manteve a eleição.Três chapas concorrem à presidência da entidade, mas apenas duas têm realmente chances de vencer. A oposição parece estar mais fortalecida, com o candidato Jorge Lacerda Rosa declarando ter 16 dos 25 votos. Ele fez questão, inclusive, de anunciar as federações que estariam compromissadas com sua candidatura: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso, Brasília, Goiás, Bahia, Alagoas, Pará, Paraíba, Ceará, Tocantins e Amazonas.A chapa de José Farani, que oficialmente diz não ter qualquer vínculo com Nelson Nastás, representa a situação. Ele também afirma ter votos suficientes para ganhar a eleição. E até já anuncia os planos: o objetivo é a massificação do tênis, aumentando o número de praticantes, com cursos em escolas, criação de centros regionalizados, reorganização das federações, além de apoio governamental.A terceira chapa é liderada por Hermenegildo Grassi, tenista veterano de São Paulo, que se apresenta como alternativa ao quadro atual. Mudança - Com dez anos no comando da CBT, Nelson Nastás é o segundo presidente da história em tempo de gestão. Só perde mesmo para Gabriel Carlos de Figueiredo, que ficou no cargo de 1970 a 1981.Fundada em 19 de novembro de 1955, com decreto número 38.759 do presidente Juscelino Kubitschek, a CBT, na verdade, jamais chegou a formar um grande profissional do tênis brasileiro. De nomes como Cássio Motta, Carlos Kirmayr, Marcos Hocevar, Luiz Mattar, Thomaz Koch, Fernando Meligeni e Gustavo Kuerten, os principais jogadores da história do tênis brasileiro, nenhum deles chegou ao profissionalismo graças a algum programa, ajuda ou influência direta da entidade.Por isso, Guga ficou empolgado com a notícia do afastamento de Nastás da presidência da entidade e, na ocasião, chegou a dizer: "Acho que desde que ganhei Roland Garros, em 1997, este é um dos momentos mais importantes para o tênis brasileiro?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.