Daniel Vorley/Brasil Open
Daniel Vorley/Brasil Open

Colombianos Cabal e Farah faturam título de duplas do Brasil Open

Dupla finalista do torneio pelo segundo ano consecutivo bateu o italiano Paolo Lorenzi e o argentino Diego Scwartzman por 2 sets a 0

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

15 de fevereiro de 2015 | 16h49

Finalista do Brasil Open pelo segundo ano consecutivo, a dupla dos colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah teve melhor sorte desta vez e sagrou-se campeã da 15.ª edição do torneio. A conquista inédita foi garantida com uma vitória tranquila sobre o italiano Paolo Lorenzi e o argentino Diego Schwartzman na decisão por 2 sets a 0, com parciais de 6/4 e 6/2, neste domingo, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.

"Como vínhamos sem ritmo de jogo, com mais de duas semanas sem jogar, a primeira rodada sempre é difícil e cheguei com alguns problemas físicos. Mas fomos avançando, o que nos deixa felizes porque fomos a cada rodada, a cada partida crescendo e terminamos jogando em alto nível", analisa Cabal.

Cabal e Farah, cabeças de chave número 2, tiveram trabalho no caminho até o título. Eles frustraram a torcida brasileira ao superarem Marcelo Melo e o austríaco Julian Knowle na semifinal por 2 sets a 1, com parciais de 7/5, 4/6 e 10/6. Nas quartas, os parceiros colombianos superaram os compatriotas Nicolas Barriendos e Santiago Giraldo com mais facilidade, por duplo 6/2. Eles também foram os carrascos dos donos da casa Marcelo Demoliner e Rogério Dutra Silva na estreia, com a vitória por 7/6 (7/5), 4/6 e 10/6.

Esse foi o terceiro troféu conquistado por Cabal e Farah, respectivos números 20 e 22 do ranking de duplas da ATP, em oito finais disputadas. Em 2014, a dupla foi campeã no Torneio de Winston-Salem, nos Estados Unidos, e no Rio Open, quando também levou a melhor justamente sobre o mineiro Marcelo Melo, que jogava ao lado do espanhol David Marrero. No Brasil Open, os colombianos haviam ficado com o vice-campeonato no ano passado depois da derrota para os espanhóis Guillermo Garcia-Lopez e Phillip Oswald.

"Gostamos muito de jogar aqui. Se parece muito com o nosso país e nos sobram razões para voltar sempre. Além disso, gostamos das condições, nos damos muito bem e nos tratam com carinho, assim, é um combo", diz Cabal. E os colombianos já planejam a volta em 2016. "Nos sentimos em casa, é perfeito porque a gira é depois da Austrália. O que é melhor do que jogar em nosso continente?", exalta Farah.

Apesar da empolgação pelo título do Brasil Open, eles não terão tempo para celebrar a conquista inédita. Na próxima semana, a dupla participará do Rio Open, que começa nesta segunda e vai até o próximo domingo. "Às 16h30 vão nos buscar para nos levar ao aeroporto, não há muito o que comemorar porque amanhã (segunda) já treinamos no Rio, lá está muito calor e precisamos ficar preparados", afirma Farah.

O JOGO

Paolo Lorenzi começou a partida no saque, mas não conseguiu encaixar qualquer ponto e foi quebrado ainda no primeiro game. Arrasadora, a dupla colombiana já confirmava o seu serviço em apenas três minutos de jogo. Mas a vantagem durou pouco. O italiano e o argentino reagiram e empataram a partida no quarto game, com uma dupla falta de Cabal. A resposta veio logo em seguida, Lorenzi e Schwartzman viram mais uma vez os adversários na frente no placar. Cabal e Farah não deram mais bobeira, abriram 4/2 e só foram administrando a partida até fechar o primeiro set por 6/4.

O segundo set seguiu praticamente o mesmo roteiro do primeiro, mas dessa vez com Schwartzman no saque. Os colombianos surpreenderam os adversários e garantiram o primeiro game. Lorenzi e seu parceiro tentaram dificultar em seguida, mas viram Cabal e Farah abrirem 2/0. Os sul-americanos tiveram a chance de uma nova quebra, que não foi concretizada. No quinto game, eles voltaram a pressionar e ampliaram a vantagem para 4/1. Lorenzi e Schwartzman conseguiram ainda prolongar o jogo por mais um game, mas não resistiram no serviços dos colombianos, que fecharam o set e a partida por 6/2.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.