Kelly Delfina/Reuters
Kelly Delfina/Reuters

Com golpes poderosos e zero pretensão, Naomi Osaka e Jennifer Brady decidem Aberto da Austrália

Japonesa e americana têm em comum a característica de não fingirem que são imunes à pressão externa

Karen Crouse, The New York Times, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2021 | 15h00

Uma finalista do Aberto da Austrália falou sobre como foi intimidante jogar contra Serena Williams e também declarou que havia comido sem parar durante sua quarentena obrigatória de 14 dias. Essa seria Naomi Osaka, que já ganhou três torneios Grand Slam. A outra reconheceu que comemorou antes da hora na semifinal, o que lhe fez perder o foco, e também admitiu que não maratonou nenhuma série em sua quarentena de 14 dias, porque ela sabia que isso faria com que ela ficasse de preguiça na cama o dia todo.

Essa seria Jennifer Brady, ex-destaque da UCLA que se tornou a primeira mulher a subir nas classificações da faculdade e avançar para uma final de Grand Slam desde Kathy Jordan neste torneio em 1983. A final feminina de simples no Aberto da Austrália contará com as jogadoras de alto desempenho com groundstrokes violentos mais fáceis de se identificar e que você gostaria de conhecer (mas não na quadra).

Naomi, 23 anos, e Jennifer, 25 anos, têm demonstrado uma potência implacável em suas partidas e uma vulnerabilidade desarmante em suas coletivas de imprensa. Seus egos não parecem ser ovos Fabergé que precisam de um manuseio cuidadoso, carinho constante e o olhar de adoração de todos. Elas não fingem que são imunes à pressão ou agem como se soubessem de tudo. Eles não parecem fingir de forma alguma.

Naomi venceu dois match points na quarta rodada de três sets contra Garbiñe Muguruza e não entrou em pânico quando enfrentou um break point enquanto perdia para a Serena por 0-2 no primeiro set da semifinal. Ela melhorou sua resistência mental, disse ela, conversando com seu treinador, Wim Fissette, e "expressando o nervosismo que sinto em vez de reprimir tudo e tentar lidar com isso sozinha".

Jennifer desperdiçou quatro match points na quinta-feira antes de vencer Karolina Muchova em três sets."Eu estava tão nervosa", disse ela. "Eu não conseguia sentir minhas pernas. Meus braços tremiam. Eu só torcia para que ela errasse, mas ela não errava."

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Eu não conseguia sentir minhas pernas. Meus braços tremiam. Eu só torcia para que ela errasse
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Jennifer Brady, Tenista

Jennifer também admitiu o pecado capital de se precipitar. “Eu estava pensando na ocasião e no resultado final”, disse ela, que venceu com um saque em um jogo de 18 pontos que incluiu três break points e cinco match points. A final de sábado será apenas o segundo encontro profissional delas, mas Jennifer e Naomi se conhecem desde que eram mais novas competindo em torneios sancionados pela USTA na Flórida, onde ambas cresceram.

"Lembro-me de ter jogado com ela e pensei, uau, ela acerta a bola com força", disse Jennifer. "Ela vai ser boa nisso." Jennifer não gostava muito de tênis naquela época.

"Eu pensava, OK, talvez eu não tenha nascido para este esporte, talvez eu não seja boa o suficiente", disse Jennifer. "Vou para a faculdade por quatro anos e depois vou encontrar um emprego de verdade."

Jennifer passou dois anos na UCLA, onde ajudou a equipe de tênis a ganhar um título nacional como caloura em 2014 e amadureceu dentro e fora das quadras. Depois de percorrer o circuito da liga da segunda divisão de tênis, Jennifer venceu seu primeiro evento WTA em agosto passado em Lexington, Kentucky.

Ela comemorou passando o final de 2020 na Alemanha, terra natal de seu treinador, Michael Geserer, treinando como nunca antes. "Quando você se sente confortável demais, acho que é quando você está em apuros”, disse Jennifer, que ficou com saudades de casa, mas resistiu, dizendo a si mesma: “Tenho que fazer o que tenho que fazer para me tornar a melhor tenista agora e então poderei viver minha vida." Naomi disse que sua motivação para se tornar a melhor jogadora de tênis que pode ser veio das pessoas ao seu redor.

"Eu só quero me sair muito bem como uma representante do trabalho duro de todos", disse ela, acrescentando: "Eu costumava pesar toda a minha existência se eu ganhasse ou perdesse uma partida de tênis. Simplesmente não é mais como me sinto."/TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.