William West / AFP
William West / AFP

Com lesão leve, Nadal prevê volta às quadras no fim de fevereiro

Federer revela ter enviado mensagem de boa recuperação ao rival e amigo

Estadão Conteúdo

24 Janeiro 2018 | 13h14

O espanhol Rafael Nadal revelou nesta quarta-feira que o exame de ressonância magnética realizado por ele detectou uma lesão muscular na parte superior da coxa direita. O problema, porém, não é tão grave, de nível 1, o deixando com a expectativa de retornar às quadras em fevereiro.

+ Federer vence Berdych e faz semifinal com surpresa sul-coreana em Melbourne

+ Serena Williams anuncia volta oficial às quadras em duelo da Fed Cup em fevereiro

Número 1 do mundo, Nadal abandonou a sua partida contra o croata Marin Cilic, válida pelas quartas de final do Aberto da Austrália, na última terça-feira, quando perdia o quinto set por 2/0. O fato é raríssimo na carreira do espanhol, tanto que esta foi apenas a segunda vez que ele não conseguiu chegar ao fim de um jogo dos torneios do Grand Slam, o que trouxe preocupações sobre a gravidade da contusão.

De acordo com Nadal, a expectativa é de que ele esteja curado da lesão em três semanas. Depois disso, então, ele faria o seu retorno às quadras no Torneio de Acapulco, um ATP 500 disputado no México, que começará em 26 de fevereiro.

Rival histórico de Nadal, o suíço Roger Federer afirmou nesta quarta-feira torcer para que o espanhol se recupere bem e rapidamente do problema. Após a realização dos exames médicos, o número 1 do mundo, viajará para Maiorca, onde deverá repousar e realizar o tratamento.

Federer revelou, inclusive, que enviou uma mensagem de texto a Nadal na última terça, torcendo pela sua recuperação. "Estou feliz que a notícia não seja terrível. Não é bom ver um rival e amigo sair assim", afirmou o suíço, que está classificado às semifinais do Aberto da Austrália e derrotou o espanhol na decisão do torneio no ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.