Matthew Childs/ Reuters
Matthew Childs/ Reuters

Com Melo e irmão de Guga, CBT cria conselho para debater ideias e buscar apoio

Duplista se une a Rafael Kuerten em grupo consultivo com mais três integrantes

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2017 | 08h06

Preocupado com a situação financeira atual da Confederação Brasileira de Tênis (CBT), o presidente Rafael Westrupp decidiu buscar ideias e sugestões de empresários para aperfeiçoar a gestão da entidade. Para tanto, criou o chamado Conselho Consultivo, que contará com a presença do duplista Marcelo Melo e do irmão de Gustavo Kuerten, Rafael Kuerten.

Ao todo, o conselho conta com cinco integrantes, que não terão salários ou compensações financeiras. Também não terão poder de decisão ou de veto. Compõem o quadro o próprio Rafael Westrupp, Marcelo Melo, o irmão de Guga, que é presidente do Grupo Guga Kuerten, e mais dois empresários: Rogério Melzi, ex-diretor-presidente da universidade Estácio e atualmente no comando do Hospital Care; e Christian Burgos, CEO da Inner Editora, que publica a revista "Tênis".

"O Conselho irá se reunir trimestralmente para discutir questões importantes da gestão da entidade, dando suporte em escolhas estratégicas, oferecendo ajuda em desafios específicos e ajustando a estrutura organizacional às necessidades do mercado. A expertise de cada conselheiro, em áreas diversificadas e afins, nos dá a certeza de que a formação deste conselho contribuirá de forma incisiva na entidade e consequentemente no tênis nacional", apostou Rafael Westrupp.

A primeira reunião aconteceu em julho, em Florianópolis, nova sede da CBT, ainda sem a presença de Marcelo Melo. O campeão de Wimbledon nesta temporada vai passar a compor o grupo a partir da próxima reunião, ainda sem data definida.

"Na primeira reunião, conhecemos os projetos da CBT. Tivemos uma análise bem detalhada dos números, da parte financeira. A receita caiu de forma brusca após um ano olímpico. O que chamou a atenção de todos os conselheiros, pela nossa experiência em negócios, é essa queda. Sabemos o quão difícil é ter uma queda de 15 ou 20% da receita. Agora imagina ficar apenas com 20% da receita que tinha?", disse Rafael Kuerten, em entrevista ao Estado.

Para o irmão de Guga, as maiores preocupações do conselho neste começo de trabalho são a transição dos tenistas juvenis para o profissional e as próprias contas da CBT. Ele acredita que os conselheiros vão ajudar a entidade a buscar novas fontes de recursos. "Vamos usar do network que temos para tentar trazer novas receitas para a confederação. Agora há uma necessidade de a gente botar todo mundo para pensar e buscar outras receitas. Os conselheiros vão trazer novas oportunidades", afirmou o empresário.

A preocupação com as contas da CBT se justifica. De 2016 para este ano, a entidade sofreu uma perda de 78% do valor do patrocínio dos Correios, passando de R$ 9 milhões para apenas R$ 2 milhões por ano.

O patrocínio da companhia estatal era a principal fonte de orçamento para a CBT, que tem ainda o repasse de R$ 2,3 milhões anuais do Comitê Olímpico do Brasil (COB), por meio da Lei Agnelo-Piva. A redução do valor repassado pelos Correios trouxe consequências. A entidade demitiu funcionários e mudou sua sede de São Paulo para a capital catarinense para reduzir custos. Além disso, tenistas perderam bolsas mensais de patrocínio da estatal.

Com o Conselho Consultivo, a CBT busca também se aproximar de profissionais de fora da entidade. Nas gestões anteriores, eram comuns críticas quanto ao afastamento da confederação de atletas e treinadores. Atualmente, a CBT conta com o duplista André Sá como presidente da comissão de atletas, que tem voto na Assembleia Geral da entidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.