Clive Brunskill/AFP
Clive Brunskill/AFP

Com novo formato, Copa Davis tenta atrair medalhões e maior público

Finais estão concentradas em apenas uma semana, em novembro, numa sede única, em Madri

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2019 | 04h31

Mais tradicional competição entre países do tênis mundial, a Copa Davis passa por uma forte reformulação nesta temporada. O torneio sofreu uma redução drástica no número de datas e alterou completamente o seu formato, convertido em uma fase classificatória e as Finais, marcadas para novembro.

A primeira fase, disputada em fevereiro, definiu 12 times classificados para as Finais, que agora serão concentradas em apenas uma semana, entre os dias 18 e 24 de novembro, numa sede única, em Madri. A competição será realizada em quadra dura na famosa Caja Magica, no mesmo local onde é disputado o torneio de nível Masters 1000 sediado na capital espanhola.

Os vitoriosos na fase classificatória foram Bélgica (vencendo o Brasil), Austrália, Alemanha, Casaquistão, Colômbia, Canadá, Japão, Chile, Holanda, Rússia, Itália e Sérvia (de Novak Djokovic, atual número 1 do mundo). Eles vão se juntar nas Finais a Croácia, França, Espanha (de Rafael Nadal, vice-líder do ranking) e Estados Unidos, semifinalistas do ano passado, e a Argentina e Grã-Bretanha, países convidados.

Estas 18 seleções foram divididas em seis grupos, de A a F: França, Sérvia e Japão (A); Croácia, Espanha e Rússia (B); Argentina, Alemanha e Chile (C); Bélgica, Austrália e Colômbia (D); Grã-Bretanha, Casaquistão e Holanda (E); e EUA, Itália e Canadá (F). Os vencedores de cada chave mais os dois melhores segundo colocados avançarão às quartas de final, que serão seguidas por semifinais e final.

Os quatro semifinalistas deste ano já garantem vaga automática nas Finais de 2020. Os países que ficarem entre o 5.º e o 18.º lugar terão que disputar a fase classificatória. Haverá novamente duas nações convidadas.

O formato dos jogos também mudou. A série melhor de cinco sets, que ainda é usada nos Grand Slams, será substituída por uma melhor de três, como já acontecia nos Zonais e na fase classificatória, em fevereiro. Foi mantida a definição do confronto em melhor de cinco jogos.

As profundas mudanças tentam aumentar o apelo da Davis, que vem perdendo público e a presença dos medalhões nas últimas temporadas. Tenistas como Roger Federer, Djokovic e Nadal vinham deixando a competição em segundo plano para priorizar competições individuais mais importantes. As Finais deste ano podem ter Djokovic e Nadal. O suíço ficará de fora porque seu país não avançou a esta fase.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

18 countries. One winner. . Who collects the in Madrid? . ( @daviscupfinals)

Uma publicação compartilhada por Davis Cup (@daviscuptennis) em

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.