Hannah McKay/Reuters
Hannah McKay/Reuters

Com reabertura na Grã-Bretanha, Wimbledon poderá ter mais que 25% de público

Torneio foi o único Grand Slam cancelado no ano passado devido à pandemia do novo coronavírus

Redação, Estadão Conteúdo

20 de maio de 2021 | 10h50

Os organizadores de Wimbledon estão confiantes de que poderão receber mais torcedores do que 25% da capacidade atual do Grand Slam (apenas 10.500 por dia), em Londres, na Inglaterra, após a última flexibilização das restrições por causa da pandemia da covid-19. A Grã-Bretanha passou para a terceira fase do desconfinamento desde a última segunda-feira. O objetivo do primeiro ministro Boris Johnson é reabrir a economia em 21 de junho.

"Além do relaxamento das restrições do Estágio 3 e das primeiras indicações positivas do Programa de Pesquisa de Eventos, estamos confiantes de que seremos capazes de aumentar nossa capacidade de ingressos deste ano além da posição mínima de 25% que estabelecemos no mês passado", informou o All England Club, local dos jogos de Wimbledon, em um comunicado oficial.

"Essa confiança se baseia principalmente na reintrodução da regra dos seis em ambientes fechados em restaurantes, a partir de 17 de maio, e nas primeiras indicações de que a orientação do Estágio 4 poderia incluir relaxamentos semelhantes da orientação para estádios esportivos", completou a nota.

Wimbledon foi o único Grand Slam cancelado no ano passado devido à pandemia do novo coronavírus e foi a primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial que o torneio jogado em quadras de grama não foi disputado. Os organizadores criaram um Ambiente de Risco Minimizado para atender aos protocolos de saúde, o que significa que os jogadores serão limitados a um máximo de três em sua comitiva e terão que ficar em hotéis designados, ao invés de outras acomodações perto do local.

O All England Club disse que estava se mantendo flexível e atrasando a venda de ingressos até meados do próximo mês para ter mais clareza sobre o surgimento da variante indiana, de rápida disseminação, que pode inviabilizar o levantamento das restrições.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.