Com Teliana, tênis feminino volta a um Grand Slam após 20 anos

Brasileira estreia na competição contra a russa Anastasia Pavlyuchenkova

O Estado de S. Paulo

11 de janeiro de 2014 | 21h24

MELBOURNE - Seja qual for o resultado que Teliana Pereira obtiver em sua estreia no Aberto da Austrália, o seu feito já será histórico. A pernambucana, 95.ª do mundo, encerra um jejum de 20 anos do tênis feminino brasileiro. Desde 1993, quando a paulista Andréa "Dadá" Vieira, procedente do torneio qualificatório, participou da chave principal do Aberto dos Estados Unidos, o País não era representado por uma tenista num dos quatro torneios de Grand Slam.

Teliana não levou muito azar no sorteio das chaves, mas, mesmo assim, é altamente provável que sua aventura no Melbourne Park termine na primeira rodada. Ela se livrou de um confronto contra uma tenista do top 10, mas terá pela frente uma adversária fortíssima, a russa Anastasia Pavlyuchenkova. Com 22 anos – três a menos do que Teliana –, ela já conquistou cinco títulos da WTA e dois juvenis do Aberto da Austrália. Pavlyuchenkova chegou a ocupar a 13.ª posição no ranking e hoje é a 30.ª. Quem passar vai enfrentar a vencedora do confronto entre a luxemburguesa Mandy Minella e uma jogadora saída do qualificatório.

A pernambucana de Águas Belas, pequena cidade localizada a quase 300 quilômetros de distância do Recife, sabe que viverá em Melbourne o maior momento de sua carreira. E tudo o que ela deseja é não ficar muito nervosa, até para não facilitar as coisas para Pavlyuchenkova.

"Eu vou tentar não ficar nervosa, entrar na quadra e dar o meu melhor", diz a jogadora. "Não posso criar expectativa, até por ser minha primeira participação em Grand Slam. O que vier é lucro."

Nos torneios de preparação para o primeiro Grand Slam do ano, Teliana não foi muito bem. Ela não passou da segunda rodada dos qualificatórios tanto em Auckland, na Nova Zelândia, quanto em Hobart, na Austrália, onde foi batida por uma tenista local de apenas 16 anos – Naiktha Bains.

SERENA MIRA SEXTO TÍTULO

Enquanto Teliana luta para chegar à segunda rodada, a principal favorita ao título, Serena Williams, tenta prolongar sua série invicta de 22 partidas rumo à sexta taça na Austrália. Se conseguir, vai se igualar às lendas Martina Navratilova e Chris Evert, com 18 títulos de Grand Slam, e ficará atrás só de Margaret Court (24), Steffi Graf (22) e Helen Moody (19).

Apesar de tantas glórias e do domínio incontestável do circuito feminino, Serena se recusa a tirar o pé do acelerador, para desespero de suas adversárias. Ela jura que sua fome de títulos continua grande como sempre.

"Eu não consigo parar", afirma Serena. "Eu adoro estar por aí e competir, isso me completa. Para mim, a questão é simplesmente tentar me motivar, estabelecer novos objetivos e seguir em frente."

Serena vai encarar na estreia a novata australiana Ashleight Barty, de 17 anos, que recebeu convite para o torneio. Se tudo correr como previsto, a norte-americana só deverá ter um pouco mais de dificuldade na semifinal, contra a chinesa Na Li. Entre as top 10, a russa Maria Sharapova é a que aparentemente pegou a adversária mais complicada, a norte-americana Bethanie Mattek-Sands, jogadora perigosa.

Victoria Azarenka, atual bicampeã em Melbourne, só pegaria Serena na final. Nos dois últimos anos, beneficiada por lesões da rival, não teve de enfrentar a norte-americana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.