Hugo Philpott/EFE
Hugo Philpott/EFE

Crescem suspeitas de manipulação de jogos em Wimbledon

Aposta de R$ 1,1 milhão na vitória de austríaco Jürgen Melzer por três sets sobre sul-africano é alvo

EFE

24 de junho de 2009 | 12h43

As suspeitas sobre um esquema de manipulação de resultados em Wimbledon para tirar dinheiro com apostas seguem ganhando força, segundo a imprensa inglesa.

Veja também:

especialWIMBLEDON - Leia mais sobre o torneio

Tanto o sensacionalista The Sun como o The Independent divulgaram nesta quarta-feira que a vitória do austríaco Jürgen Melzer, 30.º do Ranking da ATP, sobre o sul-africano Wayne Odesnik, número 109 do mundo, está sendo investigada.

Mas as casas de apostas - entre elas Betfair e Ladbrokes - detectaram "quantias extraordinárias" pela vitória do austríaco em três sets, como ocorreu posteriormente. Algumas destas empresas suspenderam as apostas antes da partida após detectar "movimentos suspeitos", segundo o Independent.

A Betfair registrou uma aposta de 350 mil libras - aproximadamente 400 mil euros, ou R$ 1,1 milhão - na vitória de Melzer em três sets, o que levou as autoridades a desconfiar de manipulação.

A ATP criou um órgão especialmente destinado a investigar e buscar infrações como esta no circuito profissional masculino.

As suspeitas começaram na última quinta, quando o Independent revelou que entre seis e 12 tenistas da chave masculina estão em uma lista de jogadores a serem observados pela organização por já terem se envolvido com manipulação de resultados.

A informação parte de uma investigação que levou a publicação a indagar sobre supostas tramas de corrupção dentro do tênis, assim como nos métodos utilizados atualmente pelas autoridades pertinentes, incluindo a ATP, para acabar com estas práticas.

O jornal disse que a lista completa de jogadores inclui, entre outras nacionalidades, espanhóis, russos, argentinos e italianos entre os 50 primeiros do mundo, e também da parte inferior do ranking.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.