AFP
AFP

Criticado por omissão, Federer diz: 'Não poderia ter feito mais'

Suíço é alvo de reclamações ao não se posicionar sobre más condições de tenistas na Austrália

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2020 | 16h55

Muito criticado por outros tenistas em razão do seu comportamento quanto às condições adversas a que foram submetidos os jogadores que disputaram o qualifying do Aberto da Austrália diante da fumaça vinda da onda de incêndios florestais no país, Roger Federer se defendeu e disse que não poderia ter agido de outra maneira.

Federer, que é o maior vencedor de Grand Slam de todos os tempos, com 20 títulos, e o espanhol Rafael Nadal, líder do ranking da ATP, ouviram críticas de seus colegas que participaram dos jogos de quali do torneio. Eles entendem que faltou apoio dos tenistas já consagrados. A reclamação mais dura veio do canadense Brayden Schnur, que chamou Federer e Nadal de "egoístas".

O auge das críticas quanto à preocupação com a qualidade do ar na Austrália se deu depois que a eslovena Dalila Jakupovic sofreu uma crise de tosse em quadra. Ela caiu de joelhos e teve de abandonar sua partida pois não conseguia mais respirar.

O local Bernard Tomic e a canadense Eugenie Bouchard também afirmaram terem tido dificuldade para jogar.

"Não acho que poderia ter feito mais do que fiz. Não posso entrar na quadra e mandar as pessoas pararem. Todos nos preocupamos uns com os outros", afirmou Federer, em entrevista coletiva neste sábado. O suíço, membro do Conselho dos Jogadores da ATP (Associação dos Tenistas Profissionais), disse que conversou com a organização do Aberto da Austrália sobre o assunto.

"Alguns caras sempre reclamam. Mas no final do dia, há sempre algo novo com a fumaça. Todos têm que compreender isso", completou o veterano de 38 anos, atual número 3 do mundo, que doou, em conjunto com Nadal, pouco mais de R$ 700 mil para instituições que atuam no combate aos incêndios e também para ajudar as vítimas.

Federer ainda enfatizou que os verdadeiros prejudicados pelas fumaças, em sua visão, são os animais, a vegetação, as pessoas e os bombeiros que trabalham na região para conter o fogo. "Eu me preocupo com pessoas que estão lutando contra o fogo. Podemos ficar dentro de casa o dia todo e sair só para jogar. Não estamos fora o tempo todo", considerou.

Roger Federer ainda não estreou em 2020. Ele optou por descansar e não jogou a ATP Cup, vencida pela Sérvia. Seu primeiro jogo no ano e no Aberto da Austrália será nesta segunda-feira contra o norte-americano Steve Johnson. Ele corre por fora na briga pelo título do torneio. Os favoritos ao troféu são Rafael Nadal e Novak Djokovic, finalistas em 2019.

Tudo o que sabemos sobre:
Roger FederertênisRafael Nadal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.