Ricardo Nogueira/EFE
Ricardo Nogueira/EFE

Cuevas admite que sentiu pressão com favoritismo na final

Uruguaio teve enorme trabalho para superar o azarão italiano Luca Vanni, no tie-break do terceiro set, e levar o troféu do Brasil Open

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

15 de fevereiro de 2015 | 20h54

A vitória de Pablo Cuevas sobre o "azarão" Luca Vanni neste domingo, em São Paulo, foi sofrida e veio só no tie-break do terceiro set. O uruguaio festeja o título do Brasil Open, o terceiro de sua carreira em simples, mas também reconhece que sentiu a pressão por entrar como favorito no decisão no Ginásio do Ibirapuera, onde venceu por 6/4, 3/6 e 7/6 (7/4). "Foi a primeira vez que disputei uma final e me sentia favorito, sentia que não podia perder. Quando isso acontece, são as partidas mais difíceis. Tinha um jogador que vinha com muita confiança", afirma.

Para Cuevas, o título foi decidido nos detalhes. No terceiro set, viu o italiano passar à frente no momento decisivo e teve a obrigação de devolver a quebra de saque para continuar vivo no duelo. Já no tie-break, cada ponto não dava margem para falhas. "Foi uma partida difícil. Quando ele sacou para a partida, lembrei um pouco o que passei na primeira rodada (contra o checo Jiri Vesely) e tentei estar o mais tranquilo possível, jogar como sei. No fim do jogo foram muitos erros, ganhou quem errou menos", analisa.

Depois de não conseguir pontuar no serviço de Cuevas durante todo o primeiro set, Vanni conta que decidiu adotar uma tática mais arriscada. "Tentei colocar um pouco mais de pressão e ele cometeu alguns erros. A partida ficou mais equilibrada e ele começou a sentir a pressão", diz. Apesar do tropeço na decisão, o italiano ficou bastante satisfeito com o seu desempenho no Brasil, onde obteve sua primeira vitória em um torneio ATP.

Pablo Cuevas ficou afastado do circuito entre 2011 e 2013 devido a uma lesão no joelho. Desde o seu retorno, foi campeão do Torneio de Umag, na Croácia, e do Torneio de Bastad, na Suíça, no ano passado. Com o título em São Paulo, Cuevas vem coroando a sua volta. "Estou tendo uma volta ao circuito espetacular, estou superando as expectativas, desfrutando. Mas quero mais e tenho mais para dar, sempre pensei isso quando estava fora das quadras", comemora.

A partir desta segunda-feira o foco do tenista será no Rio Open, onde reencontrará Nicolas Almagro na estreia. Em São Paulo, Cuevas levou a melhor diante do espanhol por 2 sets a 1, com parciais de 7/6 (7/6), 3/6, 6/2, mas sabe que terá de se superar para repetir o resultado no ATP 500. "É difícil para mim, mas também para o Nicolas. Será uma partida difícil para todos. Começarei lutando desde a primeira rodada."

Tudo o que sabemos sobre:
tênisBrasil OpenPablo Cuevas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.