EFE/ Ricardo Nogueira
EFE/ Ricardo Nogueira

Cuevas sofre, espanta 'zebra' italiana e é campeão do Brasil Open

Tenista uruguaio consegue 3º título de simples da carreira; ele é dono do troféu de duplas de 2010, conquistado na Costa do Sauípe

NATHALIA GARCIA, Estadão Conteúdo

15 de fevereiro de 2015 | 18h29

Em uma final sem tenistas da casa, o uruguaio Pablo Cuevas espantou a "zebra" e faturou o título da 15ª edição do Brasil Open neste domingo. Na decisão, o sul-americano bateu o italiano Luca Vanni por 2 sets a 1, com parciais de 6/4, 3/6 e 7/6 (7/4), no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. O europeu até tentou complicar e levou o jogo para o tie-break, mas não foi páreo para o adversário e teve de se contentar com o vice.

Para ficar com o título, Cuevas eliminou o colombiano Santiago Giraldo na semifinal por 6/4 e 6/3, e o espanhol Nicolas Almagro, tricampeão do Brasil Open, em um jogo duro nas quartas de final por 7/6 (8/6), 3/6 e 6/2. Ele também passou pelo argentino Facundo Bagnis, que abandonou as oitavas quando perdia o primeiro set por 5/1 e despachou o checo Jiri Vesely na estreia por 6/4, 3/6 e 7/5.

O título em São Paulo é terceiro de simples na carreira de Cuevas, 32º colocado do ranking da ATP. Em 2014, o uruguaio, que nasceu em Concordia, na Argentina, foi campeão do Torneio de Umag, na Croácia, e do Torneio de Bastad, na Suíça. Mas uma conquista em solo brasileiro não é inédita. Cuevas é dono do título de duplas do Brasil Open em 2010, quando a competição ainda era disputada na Costa do Sauipe, ao lado do espanhol David Marrero.

Apesar do vice-campeonato, o torneio foi bastante especial para Luca Vanni. No Brasil Open, o italiano conseguiu sua primeira vitória em um torneio ATP e ganhou o carinho do público brasileiro em sua condição de "zebra".

Durante sua trajetória, foi beneficiado pela desistência de Feliciano López, que sofreu uma lesão na coxa direita e não veio ao País, e estreou na chave principal direto na segunda rodada depois de passar pelo qualifying. Vanni ganhou do holandês Thiemo de Bakker, do sérvio Dusan Lajovic, até encontrar o brasileiro João Souza, o Feijão, na semifinal. Em um jogo emocionante, acabou com o sonho do dono da casa ao ganhar por 2 sets a 1, com parciais de 6/4, 6/7 (5/7) e 6/4.

O JOGO

Cuevas mostrou domínio em seus serviços e não deixou Vanni pontuar uma vez sequer durante o seu saque no primeiro set. Já o italiano tinha um pouco mais de trabalho para confirmar os seus games, mas ia se mantendo no páreo até o nono game, quando acabou levando a pior para o adversário e viu Cuevas abrir 5/4. O uruguaio não teve dificuldade para fechar a primeira parcial por 6/4.

No segundo set, Vanni foi o primeiro a sacar. Na sequência, não apenas arrancou os primeiros pontos do rival como também quebrou o saque de Cuevas e abriu 2/0. O italiano teve bastante trabalho para confirmar o seu serviço e ampliar para 3/0. Na pausa entre os games, Vanni foi atendido pelo fisioterapeuta e voltou à quadra com uma bandagem abaixo do joelho esquerdo. Mas ele não se deixou abalar e segurou a vantagem conquistada no início até fechar por 6/3.

A terceira etapa começou bastante equilibrada. Os dois tenistas passaram a trocar mais bolas, mas sem arriscar muito. A primeira chance de break point foi de Luca Vanni, mas Pablo Cuevas não estava disposto a correr atrás do prejuízo e apostou em um jogo mais ofensivo para segurar o rival. Tudo igual até 4/4. A quebra veio em um momento decisivo para o italiano, que se colocou à frente no placar e foi para sacar pelo jogo. No entanto, ele não soube aproveitar o bom momento e acabou cedendo o game para Cuevas, que empatou por 5/5. O campeão só foi decidido no tie-break. E a tranquilidade do uruguaio foi determinante para garantir a vitória por 7/6 (7/4).

Tudo o que sabemos sobre:
tênisBrasil OpenPablo Cuevas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.