Cuevas volta a ser algoz de espanhol e pega Ramos-Viñolas pelo tri do Brasil Open

Uruguaio leva vantagem no histórico do confronto contra o finalista, com duas vitórias e uma derrota

Estadão Conteudo

04 de março de 2017 | 20h30

Atual bicampeão do Brasil Open, Pablo Cuevas avançou neste sábado para disputar pelo terceiro ano seguido a final do ATP 250 realizado em quadras de saibro no Esporte Clube Pinheiros, em São Paulo. Em jogo na noite deste sábado, o tenista uruguaio voltou a fazer bonito ao eliminar o espanhol Pablo Carreño Busta, cabeça de chave número 1, batido por 2 sets a 0, em parciais de 6/3 e 7/6 (7/2).

Assim, Cuevas voltou a ser algoz de Carreño Busta, pois no ano passado ficou com o bicampeonato ao superar justamente o adversário na decisão. Agora, pelo terceiro troféu consecutivo na capital paulista, o terceiro cabeça de chave irá enfrentar na decisão deste domingo o também espanhol Albert Ramos-Viñolas, segundo pré-classificado, que na outra semifinal deste sábado derrotou o português João Sousa por 2 sets a 1, de virada, com 6/7 (5/7), 7/5 e 6/2.

Hoje na 33ª posição do ranking mundial, Cuevas precisou de 1h38min em quadra para passar pelo atual 23º colocado da ATP neste sábado. Embora tenha sofrido duas quebras de saque no confronto, sendo uma em cada set, o uruguaio converteu quatro de dez break points e foi bem superior no tie-break da segunda parcial para liquidar o confronto.

Foi a terceira vitória de Cuevas em quatro jogos com Carreño Busta. E o uruguaio irá defender a mesma vantagem no retrospecto na decisão deste domingo, marcada para começar às 16 horas. Embora Ramos-Viñolas possua o status de segundo cabeça de chave e esteja mais bem ranqueado do que o seu rival na luta pelo título, pois ocupa a 24ª posição da ATP, o tenista sul-americano levou a melhor nos dois últimos confrontos entre os dois. E ambos ocorreram no ano passado e também no saibro, em Barcelona e Buenos Aires, assim como também levou a melhor em um embate em 2010, em Valência.

E contra Ramos-Viñolas, que só conseguiu superar Cuevas no Masters 1000 de Madri de 2015, também poderá pesar o maior desgaste que sofreu nas semifinais, pois só conseguiu superar João Sousa, 4º cabeça de chave e atual 37º colocado da ATP, após 3h01min de batalha neste sábado.

O português venceu o primeiro set do jogo no tie-break e chegou a conquistar duas quebras de saque na segunda parcial, mas foi superado com o serviço na mão por três vezes neste mesmo segundo set e viu Ramos-Viñolas fazer 7/5 para empatar a partida. Já no set decisivo, o espanhol confirmou todos os seus saques e ainda converteu dois de três break points para aplicar o 6/2 que encerrou o confronto.

Tudo o que sabemos sobre:
Tênistênis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.