Davis: visitantes encaram armadilhas

Já não bastasse ficar sem Gustavo Kuerten e o Brasil ainda terá de superar outros obstáculos na Copa Davis. Como país visitante precisará saber como fugir de armadilhas, como a quadra de supreme - um carpete muito rápido - e até mesmo uma bolinha dura e veloz como uma bala. Mas estes desafios não são "privilégios" da equipe brasileira. Em todos os outros confrontos desta sexta-feira a domingo, a palavra chave é "alçapão", com o time mandante armando as melhores condições para seus jogadores.No hemisfério Norte, onde serão disputados sete dos oito confrontos da primeira rodada do Grupo Mundial da Davis, o frio e, em muitos casos a neve, levam os jogos para ginásios cobertos, mas engana-se quem vê na superfície de carpete como única arma. Curiosamente quatro dos oitos encontros serão jogados em quadras de saibro, sendo três na Europa, que por causa do inverno será em ginásios. O único saibro aberto será entre Argentina x Austrália.O Brasil pode escorregar no tapete na República Checa, mas a atual campeã da Davis, a França vai receber a Holanda em Metz, em quadra de saibro, usando uma bolinha relativamente lenta: da marca Roland Garros. Tudo para evitar que jogadores mais habituados aos pisos rápidos como Sjeng Schalken, ou mesmo Paul Haarhuis, nas duplas, possam surpreender os atuais campeões.A Rússia, apesar do frio intenso em Moscou, vai jogar no saibro. Mesmo com jogadores versáteis como Yevgeny Kafelnikov e Marat Safin, não quer correr riscos diante da Suíça de Roger Federer e do "maluco" Marc Rosset, dono de um verdadeiro canhão no serviço.A Espanha não quis fugir de suas características mesmo diante de um time de jogadores de técnica refinada como o do Marrocos. Os espanhóis não inventaram fórmulas e jogam mesmo no seu terreno mais seguro, o saibro.A Argentina não teria mesmo outra escolha. Jogando em casa contra uma Austrália desfalcada de Lleyton Hewitt, Patrick Rafter e Mark Philippoussis, os argentinos estão próximos de comemorar uma bela vitória sobre os atuais vice-campeões da Davis.Sem surpresas, a Inglaterra de Tim Henman e Greg Rusedski, joga no carpete diante da Suécia, de Tomas Johansson. A Croácia espera também fazer a festa com Goran Ivanisevic, jogando em Zagreb, contra a Alemanha, que pode ter o desfalque de Tommy Haas. Enquanto os Estados Unidos prometem muita força em Okalahoma, jogando no cimento coberto, com a volta de Pete Sampras e a força de Andy Roddick diante da República Eslovaca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.