Definidas as semifinais de Wimbledon

A versatilidade de Roger Federer e sua capacidade de também saber jogar defensivamente foram recompensadas com a classificação para as semifinais de Wimbledon. Num jogo em que teve de correr muito, ganhou do chileno Fernando Gonzalez por 7/5, 6/2 e 7/6 (7/2), aumentando para 34 a sua série invicta em jogos nas quadras de grama. Seu próximo desafio, na sexta-feira, será o campeão do torneio de 2002, o australiano Lleyton Hewitt, que passou pelo espanhol Feliciano Lopez por 6/4, 6/4 e 7/6 (7/2). A outra semifinal reunirá o norte-americano Andy Roddick, que sofreu para eliminar o francês Sebastien Grosjean - por 3/6, 6/2, 6/1, 3/6 e 6/3 -, diante do sueco Thomas Johansson, que ganhou do argentino David Nalbandian por 7/6 (7/5), 6/2 e 6/2. "Tive de correr de um canto a outro da quadra", reclamou Federer. "Sempre sofro muito quando tenho de jogar defensivamente. Mas foi muito bom conseguir este resultado contra o Gonzalez, pois pude provar mais uma vez que posso também jogar sem dominar os pontos". Agora, Federer terá pela frente um adversário perigoso, mas que venceu nas últimas sete partidas e, por isso, sentiu-se à vontade em falar que as exageradas comemorações do australiano já não o irritam mais. "No começo cheguei a ficar um pouco perturbado, mas agora seus gritos já não me incomodam mais". Para Hewitt, que não vence Federer desde janeiro de 2004, o duelo contra o suíço terá um sabor especial. "Será como uma final para mim". Dia das mulheres - A quadra central do All England Club está reservada nesta quinta-feira para as mulheres. Afinal, serão disputadas as semifinais do torneio feminino com jogos que prometem ser emocionantes e devem contar com a presença da brasileira Maria Esther Bueno no Royal Box, uma tribuna reservadíssima em que a ex-tricampeã do torneio sempre aparece. Em cena, a atual estrela do tênis e responsável por uma verdadeira revolução na modalidade. Maria Sharapova parte em busca de um lugar na final diante da norte-americana Venus Williams, duas vezes campeã em Wimbledon, mas que está fora de uma semifinal do Grand Slam há dois anos. A outra semifinal reúne a atual número 1 do mundo, a norte-americana Lindsay Davenport, diante de uma das mais talentosas tenistas do circuito, a francesa Amelie Mauresmo, que costuma falhar em momentos de tensão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.