Reprodução/Site oficial Australian Open
Reprodução/Site oficial Australian Open

Demoliner e parceiro superam favoritismo de rivais e vão às oitavas na Austrália

Ao lado do dinamarquês Frederik Nielsen, brasileiro supera Dominic Inglot e franko Skugor em dois sets

Redação, Estadão Conteúdo

19 de janeiro de 2019 | 11h00

O tenista brasileiro Marcelo Demoliner, em parceria com o dinamarquês Frederik Nielsen, venceu partida na chave de duplas e avançou às oitavas de final do Aberto da Austrália, em Melbourne, na madrugada deste sábado. Apesar do favoritismo, o britânico Dominic Inglot e o croata Franko Skugor, cabeças de chave número 10, foram superados por 2 sets a 0, parciais de 6/3 e 6/2.

Demoliner e Nielsen foram dominantes durante toda a partida, que durou apenas 57 minutos. O conjunto formado pelo brasileiro e pelo dinamarquês teve aproveitamento de 74% no primeiro serviço e venceu 76% dos pontos disputados na primeira bola do saque.

Nas oitavas, a dupla terá pela frente outra pedreira, já que vai enfrentar o sul-africano Raven Klaasen e o neozelandês Michael Venus. Na madrugada deste sábado, os cabeças de chave número 6 superaram o holandês Wesley Koolhof e o neozelandês Marcus Daniell por 2 sets a 0, parciais de 7/6 (7/4) e 6/3.

Depois de eliminar os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, cabeças de chave número 2 do torneio, Jack Sock e Jackson Withrow quase foram surpreendidos, mas avançaram às oitavas de final. Nesta madrugada, os norte-americanos venceram o compatriota Taylor Fritz e o britânico Cameron Norrie por 2 sets a 1, parciais de 6/7 (6/10), 6/3 e 7/6 (10/8).

O polonês Lukasz Kubot e o argentino Horacio Zeballos também alcançaram as oitavas de final, depois da vitória por 2 sets a 1 contra os franceses Jérémy Chardy e Fabrice Martin, parciais 7/5, 4/6 e 6/3. O conjunto formado pelo norte-americano Rajeev Ram e o britânico Joe Salisbury foi outro que passou de fase, graças ao triunfo por 2 sets a 0 sobre o espanhol Fernando Verdasco e o uruguaio Pablo Cuevas, por 6/3 e 6/2.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.