Derrota deixa Guga desanimado

O semblante de Gustavo Kuerten, cabisbaixo e desanimado ao deixar a quadra em Florianópolis, reflete a atual situação do Brasil no confronto com a Austrália pelas quartas-de-final da Copa Davis. Depois da sofrida derrota em três tiebreakers na partida de dupla, com Guga e Jaime Oncins caindo diante de Lleyton Hewitt e Patrick Rafter, parciais de 7/6 (9/7), 7/6 (7/3) e 7/6 (7/5), só um milagre pode levar o País às semifinais da competição. Agora, é imprescindível vencer os dois jogos de simples deste domingo, com Guga diante de Hewitt, às 10 horas, e a seguir Fernando Meligeni diante de Rafter. As duas partidas terão transmissão pela SporTV."Acho que agora a situação fica bem difícil", admitiu Guga, depois da partida. "Vou ter de dar tudo no meu jogo contra o Hewitt e torcer por uma vitória do Fino (Meligeni) sobre o Rafter". Guga mostrou-se desanimado, pois sabia que o ponto da duplas é de crucial importância em um confronto de forças tão equilibradas como Brasil e Austrália. Disse ainda que espera recuperar-se logo deste resultado para acordar mais animado neste domingo. "É complicado aceitar uma derrota assim, em três tiebreakers. Desanima", disse Guga, após a partida. "Tenho de estar com forças para minha partida com o Hewitt".No jogo de duplas, o Brasil teve boas chances, mas como lembrou o próprio Guga, nos dois primeiros sets, o time brasileiro sempre saiu em desvantagem até buscar a recuperação e levar a decisão para o tiebreaker.Na primeira série, a mais emocionante, Oncins teve logo seu serviço quebrado, cedendo vantagem de 3 a 1 para a Austrália. Depois, num game vibrante, o Brasil conseguiu devolver a quebra apenas na sexta oportunidade, o que deixou a torcida com os nervos à flor da pele. No desempate, novamente os australianos colocaram-se rapidamente em vantagem e mesmo com equilíbrio nos fim, Hewitt e Rafter venceram por 9 a 7.A história do segundo set foi bem parecida, com a Austrália saindo na frente, o empate por 3 games a 3, até no tiebreker prevalecer, mais uma vez, a maior regularidade da dupla australiana. Já no terceiro set, não houve quebras de serviço, só que o desempate, novamente, Hewitt e Rafter levaram maior sorte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.