Dirigente russo é suspenso por ofender 'irmãos' Williams

Dirigente russo é suspenso por ofender 'irmãos' Williams

Após fazer declarações sexistas contra as irmãs Serena e Venus, Tarpischev leva multa de US$25 mil dólares e suspensão de um ano

Estadão Conteúdo

18 de outubro de 2014 | 12h01

O presidente da Federação Russa de Tênis e organizador do Torneio de Moscou, que está sendo jogado na capital daquele país, Shamil Tarpischev recebeu uma multa de US$ 25 mil e uma suspensão de um ano imposta pela WTA (Associação das Tenistas Profissionais), neste sábado, dias depois de declarações sexistas contra as irmãs Serena e Venus Williams.

Na semana passada, em entrevista ao um talk show da TV russa ao lado da campeã olímpica Elena Dementieva, hoje atleta aposentada, o apresentador perguntava: "Como é jogar contra uma das...". Tarpischev interrompeu e completou: "Irmãos Williams?"

Ele mesmo respondeu: "Olhe para as nossos atletas, elegantes e bonitas. Eu tenho muito respeito por eles (irmãs Williams), mas uma vez uma das irmãs passou perto de mim e eu fiquei em sua sombra por cerca de quarenta segundos. Eles são tão fisicamente poderosos", completou Tarpischev, deixando Dementieva constrangida.

O vídeo repercutiu nas redes sociais e diversas jogadoras e ex-jogadoras se posicionaram contra o dirigente. Neste sábado, a um dia da final do Torneio de Moscou, a WTA divulgou comunicando criticando o russo e anunciando a punição máxima possível contra ele.

"As declarações dadas por Shamil Tarpischev na televisão russa a respeito de duas das maiores jogadoras da história do tênis feminino são insultantes, humilhantes, e não têm absolutamente nenhum lugar no nosso esporte. Serena e Venus são campeãs dentro e fora das quadras. A WTA é fundada nos princípios da igualdade, oportunidade e respeito, e Venus e Serena incorporam esses atributos. A declaração do senhor Tarpischev questionando o sexo delas envergonha nosso esporte e duas de nossas campeãs. Seus comentários merecem condenação e ele será punido", disse, em comunicado, o CEO da WTA, Stacey Allaster.

Pela punição, além da multa máxima de US$ 25 mil, o dirigente está impedido de ter qualquer envolvimento com a WTA durante um ano. Além disso, a WTA disse que está estudando removê-lo do cargo de organizador do Torneio de Moscou no ano que vem. A entidade também exige um pedido formal de desculpas do dirigente às irmãs Williams, a todas as jogadoras e todos os fãs.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisSerena WilliamsWTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.