Dívida não quer dizer roubo, diz Nastás

Ex-presidente da Confederação Brasileira de Tênis, Nelson Nastás esclareceu nesta terça-feira que a verba de R$ 27 mil liberada pelo Comitê Olímpico Brasileiro para a Copa Davis foi para o match em Caracas, contra a Venezuela, em julho, quando havia despesas com passagens aéreas, hospedagem e alimentação.E não para os jogos contra o Peru, em setembro, quando "as despesas foram por nossa conta, dirigentes e atletas, e houve ajuda da Academia de Tênis". "Aliás, esse dinheiro pensei que fosse da distribuição extra que o COB faz à Confederações todo fim de ano. De uns R$ 100 mil. A CBT gastou R$ 42 mil, aprovados pelo TCU, mas como só havia R$ 15 mil disponível o COB entrou com R$ 27 mil de suplementação. Mas achei que essa era da verba complementar de fim de ano, não saída do fundo de reserva", disse Nastás.O ex-presidente assegurou também que as prestações de contas, com notas originais, estão todas com o COB e existe uma pasta com cópia de tudo na CBT. "Quero deixar claro: dívida não quer dizer roubo. É dívida, como a prefeitura deixou, por exemplo. Também peguei a CBT endividada e não fiquei falando por aí, ainda mais em uma época que nem tinha Lei Piva, nem nada", assinalou Nelson Nastás, que segue em São Paulo, onde mantém escritório de representação e promoção de eventos.

Agencia Estado,

01 de fevereiro de 2005 | 18h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.