SAEED KHAN|AFP
SAEED KHAN|AFP

Djokovic bate Federer e vai à final no Aberto da Austrália pela 6ª vez

Sérvio desempata confronto histórico contra o suíço

Estadão Conteúdo

28 Janeiro 2016 | 09h31

A longa rivalidade entre Novak Djokovic e Roger Federer viveu mais um capítulo nesta quinta-feira, na semifinal do Aberto da Austrália. E vivendo o auge de sua carreira, o sérvio número 1 do mundo não encontrou a dificuldade que muitos esperavam para passar pelo suíço e chegar à sua sexta final em Melbourne. Em 2h19min, fez 3 sets a 1, com parciais de 6/1, 6/2, 3/6 e 6/3, e se garantiu na disputa pelo título.

De quebra, Djokovic desempatou o retrospecto histórico contra Federer a seu favor. Este foi o 45.º duelo desta rivalidade que começou em 2006 e a 23.ª vitória do sérvio. O número 1 do mundo, aliás, tem reinado absoluto diante dos principais adversários, incluindo o suíço, que bateu em seis das últimas oito partidas.

Só que Federer vinha de uma importante vitória no fim do ano passado, no ATP Finals, e dava mostras de que poderia incomodar Djokovic. Em Melbourne, havia perdido somente um set nas cinco partidas disputadas até então, ao contrário do sérvio, que suou e inclusive precisou superar uma batalha de cinco sets diante de Gilles Simon já nas oitavas de final.

Mas quando os dois se enfrentaram, Djokovic mostrou superioridade e avançou à sexta final de sua carreira na Austrália. Nas cinco anteriores (2008, 2011, 2012, 2013 e 2015), saiu vencedor. E desta vez entrará em quadra novamente com o favoritismo, já que possui retrospecto favorável diante dos dois outros semifinalistas, que se enfrentam na sexta-feira: Milos Raonic e Andy Murray.

Nesta quinta-feira, quem esperava por um jogo equilibrado, como a história recente entre os rivais mostrava, se decepcionou logo de início. Djokovic entrou avassalador, diante de um Federer que parecia desconfortável, e quebrou o saque do suíço de cara, abrindo 3 a 0. No sexto game, repetiu a dose e fechou a parcial com extrema facilidade, em somente 22 minutos.

Federer não encontrava respostas para o jogo de Djokovic, o que tornou o segundo set uma repetição do primeiro. Logo no terceiro game, o sérvio conseguiu uma quebra e abriu 3 a 1. Já no quinto game, mais um break point aproveitado pelo número 1 do mundo e outra vitória tranquila.

Somente então, Federer equilibrou o duelo. Ele usou sua experiência para contornar os defeitos, arriscou mais e complicou a vida do adversário. No sexto game, conseguiu uma suada quebra, que foi suficiente para ele fechar o set e diminuir o prejuízo.

E parecia que o suíço havia voltado de vez para a partida, porque logo no primeiro game do quarto set abriu 0/30 no saque de Djokovic. Mas, novamente, ele passou a errar demais, perdeu chances e deu a oportunidade que o sérvio precisava. No oitavo game, o líder do ranking ainda contou com a sorte em um ponto decisivo, após a bola tocar na fita, e conseguiu a quebra. Depois, sacou para confirmar a vitória.

Mais conteúdo sobre:
Tênis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.