Djokovic critica organização do Aberto da Austrália

Eliminado do Aberto da Austrália depois de desistir da partida contra o norte-americano Andy Roddick, o sérvio Novak Djokovic saiu de quadra atirando contra a organização do torneio, que marcou seu jogo para o período da tarde e o obrigou a atuar debaixo de um calor de 35 graus, sem que ele tivesse tempo para se recuperar da partida anterior.Nas oitavas-de-final, Djokovic eliminou o cipriota Marcos Baghdatis numa partida que acabou às 2h30 da madrugada de segunda-feira. Por causa da tensão do jogo, ele contou que só conseguiu dormir às 6 da manhã e não pôde treinar durante o dia, por isso queria que sua partida contra Roddick fosse programada para a noite. A organização, no entanto, decidiu marcar os jogos entre a russa Dinara Safina e a australiana Jelena Dokic, seguido pela partida entre o suíço Roger Federer e o argentino Juan Martin del Potro."Pedi os organizadores, mas não me escutaram. Às vezes um tenista não tem peso suficiente para controlar essas coisas, e outras prioridades estão por cima, como as emissoras de TV. É um pouco decepcionante", disparou o número 3 do mundo, campeão do Aberto da Austrália em 2008.Djokovic acha que a decisão dos organizadores acabou sendo prejudicial para o próprio público. "Entendo que façam jogar uma australiana à noite, mas é preciso ouvir mais os jogadores, afinal não creio que alguém pague o ingresso para ver o jogador abandonar a partida", reclamou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.