Julian Finney/AFP
Julian Finney/AFP

Djokovic derrota Federer e conquista o título de Indian Wells

Sérvio ficou com a taça do torneio norte-americano pela quarta vez

Estadão Conteúdo

22 Março 2015 | 21h17

No duelo entre os melhores do mundo na atualidade, ganhou o número 1. Neste domingo, na decisão do Masters 1000 de Indian Wells, nos Estados Unidos, o sérvio Novak Djokovic derrotou o suíço Roger Federer, o segundo colocado do ranking mundial da ATP, por 2 sets a 1 - com parciais de 6/3, 6/7 (5/7) e 6/2, em 2 horas e 18 minutos de duração - e faturou pela quarta vez o título da competição norte-americana.

Agora são 50 conquistas na carreira de Djokovic, que seguirá tranquilo na liderança do ranking. O jogo deste domingo foi uma reedição da final do ano passado em Indian Wells e Djokovic mais uma vez levou a melhor. Com o triunfo, o sérvio chega perto de Federer nos confrontos diretos: são 18 vitórias, contra 20 do rival. E empata com o suíço no número de títulos no torneio realizado na Califórnia.

Como vem de derrotas recentes para Federer, como na decisão do ATP 500 de Dubai, em que o suíço agrediu na devolução e subiu bastante à rede, desta vez Djokovic apostou em um bom saque para poder neutralizar os planos do rival. A tática deu certo no primeiro set, em que o sérvio cedeu apenas quatro pontos em seus games de serviço.

Na segunda parcial, tudo estava indo bem para Djokovic até que, com 4 a 2 a favor, o sérvio viu a reação de Federer, que devolveu a quebra e equilibrou o jogo. Tanto que o set foi para o tie-break e, com bons golpes e um pouco de sorte - duas duplas faltas do número 1 -, o suíço fechou em 7 a 5 para levar a final para o decisivo terceiro set.

Na parcial final da decisão, Federer não foi o mesmo em quadra. Com altos e baixos, o suíço foi quebrado logo no seu primeiro game de serviço e viu Djokovic abrir 2 a 0. Devolveu a quebra, mas novamente caiu de produção e o sérvio fez 4 a 2. Não reagiu mais e, sem sustos, o líder do ranking mundial ganhou por 6/2.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.