Eduardo Munhoz/Reuters
Eduardo Munhoz/Reuters

Djokovic ganha batalha contra Federer e leva seu 10º Grand Slam

Sérvio faz 3 a 1 na decisão do US Open com 6/4, 5/7, 6/4 e 6/4

O Estado de S. Paulo

13 de setembro de 2015 | 23h53

No duelo dos melhores da atualidade, deu o número 1. Mesclando sua força física com a inteligência para os golpes na hora certa, o sérvio Novak Djokovic derrotou o suíço Roger Federer por 3 sets a 1 - com parciais de 6/4, 5/7, 6/4 e 6/4, em 3 horas e 9 minutos - e conquistou o bi do US Open, o quarto e último Grand Slam da temporada, disputado em Nova York.

Só em 2015 são três títulos de Grand Slam para Djokovic. O sérvio faturou também o Aberto da Austrália, em janeiro, e Wimbledon, em julho. Foi à decisão também em Roland Garros, mas perdeu em Paris para o suíço Stan Wawrinka - aliás, este é o único Grand Slam que o número 1 do mundo ainda não tem na carreira. No total são 10 agora - cinco em Melbourne, três em Londres e os dois em Nova York.

No US Open, esta foi a sua sexta final. Nesta temporada, este é seu sétimo troféu em 11 finais consecutivas disputadas. Na carreira, chega a 55 títulos e se consolida ainda mais como o líder do ranking mundial da ATP.

No confronto direto contra Federer, que seguirá como o número 2 do mundo, tudo igual neste momento. Em 42 jogos, esta foi a 21.ª vitória de Djokovic. O suíço, que vinha de uma série vitoriosa de 28 sets consecutivos - desde a derrota na final de Wimbledon para Djokovic -, perdeu mais uma chance de alcançar o 18.º título de Grand Slam.

A decisão por pouco não aconteceu neste domingo. Por causa da chuva que caiu em Nova York durante todo o dia, o jogo deveria começar às 16 horas locais (17 horas no horário de Brasília), mas nada da água parar de cair no complexo de Flushing Meadows. Com várias reprogramações até a chuva parasse, a partida na Arthur Ashe Stadium só começou 19h20 locais, mais de três horas depois do previsto inicialmente. No ano que vem isso não será mais problema, já que a quadra principal estará totalmente coberta.

Em quadra, o jogo foi de alto nível, como esperado. No primeiro set, Djokovic foi superior fazendo com que Federer ficasse mais no fundo de quadra. Mesmo com um escorregão no início, que lhe rendeu escoriações no corpo todo, o sérvio ganhou por 6/4.

Na segunda parcial, Federer mostrou mais intensidade e, apesar de alguns erros bobos, venceu por 7/5. Na terceira, mais equilíbrio e quebras de saque para ambos. Quem se deu melhor no fim foi Djokovic, que com dificuldade fez 6/4.

No quarto set, Federer cometeu erros não-forçados na hora errada e permitiu que Djokovic abrisse 2/0. O sérvio foi confirmando o seu serviço até sacar em 5/2 para o título. Aí o suíço imprimiu mais intensidade em seu jogo e conseguiu devolver uma das quebras. Com nova chance para fechar em 5/4, o número 1 do mundo teve que salvar dois break points até finalmente conseguir a vitória em 6/4.

"O Federer mostrou como é um grande campeão quando perdia por 5 a 2 na quarto quarto e fez eu jogar até no último ponto", afirmou o campeão, que se declarou apaixonado pelo esporte. "Essa conquista me motiva a buscar ainda mais.Quero sempre mais. Amo este esporte", discursou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.