John Minchillo/ AP
John Minchillo/ AP

Djokovic perde set, mas vence Nishikori de virada e vai às oitavas no US Open

Na chave de duplas mistas, brasileiro Marcelo Demoliner e australiana Ellen Perez ganham e se garantem na próxima fase

Redação, Estadão Conteúdo

04 de setembro de 2021 | 19h42

O sérvio Novak Djokovic voltou a perder um set neste sábado e sofreu para buscar a virada sobre o experiente japonês Kei Nishikori pelo placar de 3 sets a 1, com parciais de 6/7 (4/7), 6/3, 6/3 e 6/2. O grande favorito ao título do US Open precisou de 3h32min para superar o vice-campeão de 2014 e garantir seu lugar nas oitavas de final.

Em seu terceiro jogo em Nova York, Djokovic já havia perdido um set logo na estreia, diante do jovem dinamarquês Holger Vitus Nodskov Rune. Desta vez, o tropeço aconteceu logo no primeiro set, marcado por forte equilíbrio. A segunda parcial também foi parelha, mas Nishikori desperdiçou seguidos break points, perdeu o saque e não conseguiu reagir.

A situação se repetiu nos dois sets seguintes. As oportunidades perdidas foram minando aos poucos a confiança do japonês, que perdeu chances de quebrar o saque do rival no último game do jogo, no saque do favorito. O sérvio terminou a partida com 45 bolas vencedoras, sendo 15 aces, contra 38 do rival. Foram sete quebras a favor de Djokovic, e apenas duas para Nishikori em partida marcada por muitos erros não forçados: 57 para o japonês e 52 para o número 1 do mundo.

Nas oitavas, o sérvio vai enfrentar o vencedor do duelo entre o russo Aslan Karatsev e o local Jenson Brooksby. Se confirmar o favoritismo, Djokovic poderá encontrar nas quartas de final o italiano Matteo Berrettini, sexto cabeça de chave, que superou o belorusso Ilya Ivashka em cinco sets: 6/7 (5/7), 6/2, 6/4, 2/6 e 6/3.

Djokovic busca dois feitos históricos neste US Open. O tricampeão quer fechar o Grand Slam, ou seja vencer todos os quatro torneios da série numa mesma temporada, algo raríssimo na história do tênis. Foi feito apenas uma vez na era aberta (profissional), inicia em 1968 - o australiano Rod Laver foi o autor do feito, em 1969.

Se for campeão, o sérvio também se isolará como o maior vencedor de torneios de Grand Slam. No momento, ele está empatado com o suíço Roger Federer e o espanhol Rafael Nadal, todos com 20 troféus.

FEMININO

Na outra chave de simples da competição americana, a canadense Bianca Andreescu mostrou força neste sábado. A sexta cabeça de chave, campeã em Nova York em 2019, arrasou a belga Greet Minnen por 6/1 e 6/2. Nas oitavas, ela fará um grande confronto com a grega Maria Sakkari, um dos destaques da temporada. A tenista da Grécia surpreendeu neste sábado ao eliminar a checa Petra Kvitova, dona de dois títulos em Wimbledon, por 6/4 e 6/3.

Outro bom confronto marcado para as oitavas vai reunir a suíça Belinda Bencic, campeã olímpica em Tóquio, e a polonesa Iga Swiatek, campeã de Roland Garros no ano passado. Bencic avançou neste sábado ao eliminar a local Jessica Pegula por 6/2 e 6/4. Já a polonesa superou a estoniana Anett Kontaveit por 6/3, 4/6 e 6/3. Em outro jogo do dia, a britânica Emma Raducanu atropelou a espanhola Sara Sorribes Tormo por 6/0 e 6/1.

BRASILEIRO

Em sua estreia na chave de duplas mistas, Marcelo Demoliner venceu, formando parceria com a australiana Ellen Perez. Eles superaram os locais Bjorn Fratangelo e Madison Keys por 6/4 e 6/3, em 60 minutos de jogo. Na segunda rodada, que já equivale às oitavas de final, brasileiro e australiana vão enfrentar a eslovena Adreja Klepac e o belga Joran Vliegen.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.