Etienne Laurent/EFE
Etienne Laurent/EFE

Djokovic perto de seu sonho na terra vermelha de Paris

Sérvio encara Wawrinka pelo primeiro título de Roland Garros

O Estado de S. Paulo

06 de junho de 2015 | 17h35

Disparado o melhor tenista do mundo nesta temporada, Novak Djokovic está muito perto de conquistar o seu primeiro Grand Slam na terra vermelha de Paris. O sérvio chegou à sua terceira final de Roland Garros ao vencer Andy Murray, neste sábado, em jogo que havia sido paralisado na sexta-feira. Perdeu o quarto set por 7/5, mas conseguiu fáceis 6/1 no quinto e decisivo set. Na final, hoje, às 10h (horário brasileiro), o sérvio vai enfrentar o azarão suíço Stan Wawrinka, que venceu o francês Tsonga.

“Não foi fisicamente um jogo fácil, isso é certo, mas acho que estarei bem para a final”, disse Djokovic. “Tudo o que resta em mim eu vou colocar para fora na quadra amanhã (neste domingo), e espero ser o suficiente”.

Em sua décima primeira participação em Roland Garros, Djokovic tem sua mais concreta chance de sair de Paris como campeão. Afinal, o número 1 do mundo eliminou nas quartas de final o espanhol Rafael Nadal, seu algoz em seis edições do torneio. Foram duas derrotas em finais, três em semifinais e uma em quartas de final.

Em ótima fase, Djokovic entra como franco favorito na final. Ele continua praticamente perfeito na temporada, tendo perdido apenas dois jogos: para o croata Ivo Karlovic nas quartas de Doha (Catar), na primeira semana do ano, e do suíço Roger Federer na final de Dubai (Emirados Árabes Unidos).

De resto, foi campeão do Aberto da Austrália e dos quatro eventos da série Masters 1000 já jogados: Indian Wells, Miami (EUA), Montecarlo (Mônaco) e Roma (Itália).

Em Roland Garros, vinha de vitórias por 3 a 0, sem perder sets, até encontrar com Andy Murray na semifinal. O britânico, terceiro do mundo, foi presa fácil nos dois primeiros sets da partida, iniciada na sexta-feira, e reagiu aproveitando seu primeiro break point no jogo para garantir a vitória no terceiro set e manter-se vivo no torneio.

O JOGO

O quarto set estava 3/3 quando a organização optou por paralisá-lo, no fim da tarde de sexta-feira, antes que uma tormenta chegasse à quadra Philippe-Chatrier. O set teve continuidade neste sábado, com Murray conseguindo uma quebra para fechar a parcial em 7/5.

Aí, entrou a capacidade de decisão de Djokovic. O sérvio quase não deixou Murray jogar no quinto set, marcando o dobro de pontos que o rival. Foram duas quebras no quinto set para fazer 6/1 e matar o jogo. 

Agora são 19 vitórias de Djokovic contra apenas oito de Murray no confronto direto entre o primeiro e o terceiro melhor do mundo. Um sintoma claro de como o sérvio esta à frente dos demais.

“Acho que ele (Murray) jogou um ótimo tênis ontem, tem crédito por ter encontrado seu melhor jogo no fim do terceiro set”, disse Djokovic. “No 5/5, ele jogou um ótimo game, eu errei dois forehands, mas ele foi muito bem defensivamente e mereceu ganhar aquele set, Tive oportunidades de fechar em sets diretos, mas méritos ao Andy, que mostrou porque é um dos grandes competidores do circuito”, disse Djokovic ao final do jogo.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.