Lukas Coch/EFE
Lukas Coch/EFE

Djokovic revela que já recebeu oferta para entregar partida

Número 1 do mundo diz não foi procurado diretamente

O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2016 | 09h01

Número 1 do mundo, Novak Djokovic afirmou nesta segunda-feira que já foi alvo de apostadores ao ser questionado sobre o esquema de manipulação de resultados no tênis, revelado pela BBC e pelo site BuzzFeed News.

"Não se aproximaram de mim diretamente. Fui contatado por pessoas que trabalhavam comigo. É óbvio que recusamos", afirmou o sérvio, em entrevista coletiva concedida depois da vitória sobre o sul-coreano Hyeon Chung por 3 sets a 0, com parciais de 6/3, 6/2 e 6/4), na estreia no Aberto da Austrália.

Segundo Djokovic, que repetiu algumas vezes que não teve qualquer contato com o tal apostar, a oferta para entregar o jogo foi de US$ 200 mil (R$ 811 mil no câmbio atual). Mas o sérvio não revelou quando isso aconteceu.  

"Nos últimos seis, sete anos, não ouvi nada parecido. Pessoalmente, nunca fui abordado diretamente, então não tenho mais o que dizer. Aquilo fez eu me sentir péssimo, porque não quero estar ligado a este tipo de coisa. Há quem chame isso de oportunidade; para mim, é um crime no esporte, sinceramente", discursou o número 1 do mundo. 

O sérvio continuou o discurso duro. "Não há espaço para isso em nenhum esporte, especialmente no tênis. Sempre me ensinaram e sempre estive rodeado por gente que respeita os valores do esporte. Foi assim que cresci. Felizmente, para mim, não preciso me envolver com estas situações."

Djokovic só desconversou quando foi questionado sobre o fato de o principal patrocinador do Aberto da Austrália ser um site de apostas. "Independente de você querer ou não ter companhias de apostas envolvidas em grandes torneios, é difícil dizer o que é certo e o que é errado. É uma linha tênue", encerrou o sérvio, que pouco comentou sobre o resultado.

Tudo o que sabemos sobre:
tênis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.