MARTIN BUREAU / AFP
MARTIN BUREAU / AFP

Djokovic poderá ser barrado em Roland Garros após governo francês aprovar passaporte vacinal

A lei foi aprovada no domingo pela Assembleia Nacional da França. Atual ministra dos Esportes afirmou que não haverá exceção

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2022 | 11h05

Novak Djokovic sofreu outra dura derrota fora de quadra, um dia após ser deportado pela Austrália. O tenista sérvio agora corre o risco de não poder competir em Roland Garros, o segundo e próximo Grand Slam da temporada, em Paris, porque o governo francês aprovou a adoção do passaporte vacinal para eventos públicos.

A lei foi aprovada no domingo pela Assembleia Nacional da França. E, nesta segunda-feira, a atual ministra dos Esportes, Roxana Maracineanu, afirmou que não haverá exceção. Assim, já está descartada qualquer "permissão médica especial", como a que o número 1 do mundo havia obtido, ainda que temporariamente, na Austrália.

"O passaporte de vacinação foi adotado. Assim que a lei for promulgada, ele passa a ser obrigatório para entrar em edifícios públicos como estádios, teatros ou salões para todos os espectadores, praticantes e profissionais franceses ou estrangeiros", afirmou Maracineanu em suas redes sociais.

"Muito obrigada ao movimento esportivo pelo trabalho de convencimento junto aos últimos raros membros não vacinados. Trabalharemos juntos para preservar as competições e sermos os embaixadores dessas medidas em nível internacional", acrescentou a ministra.

Em comunicado, o ministério reforçou as palavras de Maracineanu. "Isso se aplica a todos que são espectadores ou esportistas profissionais. Isso vale até novo aviso. Agora, ainda que haja uma preocupação, Roland Garros é em maio. A situação pode mudar até lá e nós esperamos que seja mais favorável. Então, vamos ver. Mas claramente não haverá exceção", destacou o órgão público.

Djokovic admitiu que não tomou a vacina contra a covid-19 ao desembarcar na Austrália, na semana passada. Ele tentou entrar no país para disputar o Aberto da Austrália, que começou na noite de domingo, pelo horário de Brasília, com uma "permissão médica especial", obtida com o apoio da Tennis Australia, a federação nacional de tênis, e do governo do Estado de Victoria.

Dois painéis de médicos teriam liberado a permissão porque o sérvio contraiu covid-19 em dezembro. E, segundo as regras iniciais comunicadas pela Tennis Australia aos tenistas, uma infecção recente pelo vírus se enquadraria nas regras de exceção para entrar no país mesmo sem tomar a vacina.

Mas as autoridades da fronteira australiana não aceitaram o argumento. O governo australiano chegou a anunciar publicamente que havia avisado a Tennis Australia, ainda em novembro, de que infecção recente não seria aceito como justificativa para "permissão especial". A confusão gerou dois cancelamentos de visto para Djokovic, duas audiências judiciais e a decisão final de deportação, no domingo.

Logo após a decisão judicial que determinou a saída do tenista do país, o pai de Djokovic, Srdan, ironizou a situação e disse: "Nos vemos em Paris". Naquele momento, a França ainda não havia decidido pelo passaporte vacinal. Com a decisão, o número 1 do mundo poderá voltar a um Grand Slam, caso não queira de vacinar, somente em Wimbledon, em junho.

A Inglaterra não exige o passaporte vacinal, mas o primeiro-ministro Boris Johnson disse ser totalmente a favor do imunizante ao ser questionado sobre o caso Djokovic, na semana passada. "Tudo o que posso dizer sobre o tema Novak Djokovic é que eu acredito na vacinação e entendo ser algo fantástico", afirmou o político.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.