Suhaib Salem/Reuters
Suhaib Salem/Reuters

Djokovic sofre, mas vence jovem russo e vai às quartas em Melbourne

Sérvio abusou dos erros não forçados e precisou de 3h15min para avançar no Aberto da Austrália

Redação, Estadão Conteúdo

21 de janeiro de 2019 | 12h17

O sérvio Novak Djokovic voltou a sofrer na quadra dura do Aberto da Austrália, mas venceu mais um jovem rival para avançar no primeiro Grand Slam da temporada, em Melbourne. O número 1 do mundo precisou mostrar paciência e poder de superação para deixar para trás os erros e derrotar o russo Daniil Medvedev, de 22 anos, por 3 sets a 1, com parciais de 6/4, 6/7 (5/7), 6/2 e 6/3, em 3h15min.

Exibindo dificuldades e até cansaço em diversos momentos da partida, Djokovic abusou dos erros não forçados - foram 50 em toda a partida, contra 49 do rival -, mesmo adotando postura mais cautelosa em boa parte das longas e repetitivas trocas de bola com Medvedev. A prudência fez com que ele superasse por pouco o russo no número de bolas vencedoras: 43 a 38.

Djokovic começou o jogo melhor e faturou no sexto game a primeira das sete quebras que imporia sobre Medvedev em toda a partida, abrindo 4/2 no set inicial. Mas o que parecia fácil logo se mostrou um engano. Quando sacava para fechar o set, o favorito perdeu o serviço. Na sequência, devolveu a quebra e concluiu a parcial.

A reação de Medvedev não foi exceção ao longo do jogo. O russo mostrou resistência, a não ser no terceiro set, e dificultou a vida de Djokovic até o último ponto. Na segunda parcial, saiu novamente atrás no placar, mas devolveu a quebra, fez boa exibição no tie-break e empatou o confronto após 70 minutos de set. O sérvio não escondia a irritação e, por pouco, não destruiu sua raquete no chão.

O esforço, contudo, trouxe consequências. Visivelmente cansado, o russo correu menos e deu menos trabalho para Djokovic no terceiro set. No quarto, o tenista de 22 anos voltou a mostrar vigor físico e tentou complicar novamente a vida do número 1 do mundo. Ele teve duas chances de quebra, porém não conseguiu convertê-las.

Diante de um favorito mais confiante e falhando menos, o jovem russo não conseguiu manter o ritmo e acabou sofrendo duas quebras de serviço. O sérvio, mais calmo, voltou a mostrar cautela em quadra para confirmar o favoritismo.

Com o triunfo, Djokovic despachou pela segunda vez consecutiva um tenista da nova geração em Melbourne. Na rodada anterior, também precisou de quatro sets para superar o canadense Denis Shapovalov. O líder do ranking busca seu sétimo título no Aberto da Austrália, o que seria um novo recorde na competição.

Para tanto, terá em seu caminho agora a maior experiência do japonês Kei Nishikori. Nesta segunda, o número nove do mundo precisou novamente de cinco sets para vencer. Ele despachou o espanhol Pablo Carreño Busta pelo placar de 6/7 (8/10), 4/6, 7/6 (7/4), 6/4 e 7/6 (10/8).

Foi a terceira vez, em quatro jogos, que o cansado Nishikori precisou de cinco sets para vencer em Melbourne. Assim, o japonês já chegará como azarão para o duelo com Djokovic. O retrospecto entre os dois reforça o favoritismo do sérvio, que venceu 15 dos 17 confrontos já realizados com o rival.

Com a confirmação deste confronto, a chave masculina tem definida todos os duelos das quartas de final. Os outros jogos terão: o canadense Milos Raonic contra o francês Lucas Pouille, o espanhol Roberto Bautista Agut contra o grego Stefanos Tsitsipas e o norte-americano Frances Tiafoe contra o espanhol Rafael Nadal.

ELIMINAÇÃO

Não foi desta vez que o alemão Alexander Zverev conseguiu brilhar num Grand Slam. O atual número quatro do mundo, campeão do ATP Finals, em novembro, foi eliminado nas oitavas de final do Aberto da Austrália, nesta segunda-feira, em Melbourne. Com uma fraca atuação, o alemão caiu diante do canadense Milos Raonic em sets diretos, com parciais de 6/1, 6/1 e 7/6 (7/5).

Diante de um Zverev um tanto apático, Raonic não precisou ser brilhante em quadra. Mas não deixou de mostrar força no saque. Foram 15 aces, contra seis do rival, e aproveitamento de 80% dos pontos quando jogou com o primeiro serviço. Ele anotou ainda 45 bolas vencedoras, contra 21 do número quatro do mundo. Equilíbrio somente nos erros não forçados: 24 para o canadense e 23 para Zverev.

Mais confiante, Raonic obteve seis quebras de saque, em 20 break points cedidos pelo alemão. Zverev, por sua vez, obteve a quebra na única oportunidade que teve. Não foi, de longe, suficiente para ameaçar o triunfo do tenista número 17 do mundo, vice-campeão de Wimbledon em 2016.

Zverev chegou a salvar dois match points no terceiro set, e até quebrou uma raquete diante de sua frustração em quadra, antes de ceder a derrota, após 1h59min de confronto.

Com a vitória, Raonic avançou às quartas de final e ficou perto de repetir sua melhor campanha em Melbourne. Em 2016 foi semifinalista. Para tanto, o canadense terá pela frente agora o francês Lucas Pouille, que precisou suar para buscar a virada sobre o croata Borna Coric também nesta segunda.

Pouille superou um fraco início de jogo para superar o rival por 3 sets a 1, com parciais de 6/7 (4/7), 6/4, 7/5 e 7/6 (7/2). Com o resultado, o tenista da França voltará a disputar a fase de quartas de final de um Grand Slam desde que se destacou na temporada 2016, fazendo quartas tanto em Wimbledon quanto no US Open.

SOARES E MURRAY NAS QUARTAS

O brasileiro Bruno Soares e o escocês Jamie Murray sofreram novamente nesta segunda-feira, mas garantiram vaga nas quartas de final da chave de duplas do Aberto da Austrália, em Melbourne. Soares e Murray precisaram salvar três match points para vencerem o alemão Kevin Krawietz e o croata Nikola Mektic 2 sets a 1, com parciais de 6/7 (3-7), 6/2 e 7/5.

Eles correram sério risco de eliminação nos games finais do terceiro set, quando Soares sacava para empatar em 5/5, mas estava com 0-40 no game. A dupla do brasileiro precisou salvar três break points em sequência, que eram match points, para evitar a derrota.

Eles, então, ganharam mais confiança ao evitar o revés e partiram para cima dos rivais. Sem perder mais nenhum game, viraram o set e sacramentaram a segunda vitória seguida após saírem atrás no placar - o primeiro jogo também foi difícil, mas sem virada.

Nas quartas de final, Soares e Murray terão seu maior desafio até agora. Eles vão encarar a dupla formada pelo finlandês Henri Kontinen e pelo local John Peers, que também tem título de Grand Slam no currículo e já ocuparam a liderança do ranking.

Para alcançar as quartas de final, Kontinen e Peers venceram o moldávio Radu Albot e o tunisiano Malek Jaziri por 7/6 (7/5) e 6/4.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.