Kerim Okten/EFE
Kerim Okten/EFE

Djokovic sofre no início, mas bate norte-americano em Wimbledon

Número 1 do mundo superou Bobby Reynolds por 3 sets a 0, com parciais de 7/6 (7/2), 6/3 e 6/1

AE, Agência Estado

27 de junho de 2013 | 16h06

LONDRES - Depois de uma estreia tranquila, Novak Djokovic enfrentou nesta quinta-feira os primeiros obstáculos em busca do segundo título de Wimbledon. O número 1 do mundo teve dificuldade no set inicial contra o norte-americano Bobby Reynolds, mas deslanchou na segunda parcial e fechou a partida em sets diretos, com parciais de 7/6 (7/2), 6/3 e 6/1.

Na terceira rodada, seu adversário sairá do confronto entre o alemão Jan-Lennard Struff e o francês Jeremy Chardy, 28º cabeça de chave. Eles devem se enfrentar nesta sexta-feira. Com a queda de Reynolds, os Estados Unidos não terão representantes na terceira rodada, o que não acontecia em Wimbledon desde 1911.

Jogando na quadra central, com o teto retrátil fechado, Djokovic sofreu diante do bom desempenho do americano no set inicial. Sem se intimidar com o favoritismo do líder do ranking, Reynolds acertava bons golpes do fundo da quadra, arriscava cruzadas, a exemplo do sérvio, e dava trabalho para Djokovic. O número 1 só conseguiu faturar a primeira parcial no tie-break.

Com mais confiança, o sérvio melhorou no segundo set e conseguiu obter a primeira quebra de saque do jogo, quando fez 2/1. Reynolds passou a sentir a pressão do favorito e cometia mais erros. Acabou sofrendo nova quebra quando Djokovic fechou o set em 6/3.

A terceira parcial foi a mais tranquila. Mais solto em quadra, o sérvio praticamente não foi ameaçado. Faturou mais duas quebras de saque e fechou o jogo. "Eu tentei capitalizar minhas oportunidades. Foquei no meu jogo e fiz tudo que planejei com meu técnico. Meu oponente tem crédito. Sacou muito bem e disputou bons pontos", comentou Djokovic.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisWimbledonNovak Djokovic

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.