Martin Acosta/Reuters
Martin Acosta/Reuters

Dolgopolov derrota Nishikori e conquista o título do ATP 250 de Buenos Aires

Tenista ucraniano não vencia um título de torneio profissional há cinco anos

Estadão Conteudo

19 Fevereiro 2017 | 17h18

O ucraniano Alexandr Dolgopolov, número 66 do ranking, venceu o japonês Kei Nishikori por 2 sets a 0, com parciais de 7/6 (7-4) e 6/4, e conquistou o título do ATP 250 de Buenos Aires, na Argentina, neste domingo, quebrando um tabu de cinco anos sem levantar um troféu no circuito profissional.

Após um ano sofrendo com as lesões - que inclusive abreviaram a temporada de 2016 em setembro -, Alexandr Dolgopolov conquistou o seu terceiro título na carreira. Antes do ATP 250 de Buenos Aires, o tenista já havia levantado os troféus de Umag, na Croácia, em 2011 e Washington, nos Estados Unidos, em 2012. A última final que o ucraniano havia disputado foi no Rio Open de 2014.

Do outro lado, o número 5 do ranking viu aumentar o seu jejum de títulos. Kei Nishikori não vence um campeonato desde o ATP 250 de Memphis, que aconteceu justamente há um ano, nos Estados Unidos, em fevereiro de 2016.

Na partida, Kei Nishikori demonstrou ter sentido os reflexos do cansaço após a partida das semifinais, quando precisou de duas horas e 45 minutos para superar o argentino Carlos Berlocq. Logo no primeiro game, Alexandr Dolgopolov salvou dois break points. Na sequência da parcial, o ucraniano desperdiçou seis oportunidades de quebrar o adversário, mas não conseguiu. No tie-break, porém, ele conseguiu demonstrar o domínio.

Já o segundo set foi definido quando Alexandr Dolgopolov assegurou a quebra em 4/3 e não foi mais ameaçado até o final da partida. O tenista da Ucrânia assegurou a primeira vitória sobre Kei Nishikori em seis partidas disputadas entre eles.

Agora o tenista japonês se prepara para o Rio Open, onde será o cabeça de chave número 1 e buscará o seu 12.° troféu na carreira. Na estreia, Kei Nishikori encara o brasileiro Thomaz Bellucci.

Mais conteúdo sobre:
Tênis tênis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.